Producción científica sobre gimnasios al aire libre en programas de posgrado en Brasil

Resumen

En vista de la brecha en la producción existente en la sistematización del conocimiento sobre los gimnasios al aire libre, el presente estudio tiene como objetivo identificar las investigaciones que abordan el tema, y que se produjeron dentro de los programas de posgrado de Brasil. En este sentido, se llevaron a cabo procedimientos de revisión sistemática. En total, se catalogaron 12 disertaciones después de la fase de recopilación de datos. A su vez, el análisis de datos se produjo a través del Software Iramuteq. Se encontró que la producción científica sobre el tema investigado todavía es reciente y por lo general estudiada en programas de posgrado en Educación Física. Además, la producción científica se centra en dos grandes ejes: 1) la utilización de gimnasios al aire libre; 2) la estructura de los gimnasios al aire libre. Sobre la base de los resultados encontrados, se concluye que el tema todavía necesita una profundización y desarrollo de nuevos estudios en los dos ejes mencionados anteriormente, además de la necesidad de investigación con el fin de apoyar la formulación y reformulación de políticas públicas sobre gimnasios al aire libre.

Palabras clave: Gimnasios al aire libre, Personas mayores, Producción de conocimiento, Brasil

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

Alves, T., Reis, R., Moraes, & Silva, M. (2018). Panorama da produção do conhecimento em atividade física adaptada nos programas de pós-graduação em Educação Física do estado do Paraná. Motrivivência, 30(53), 69-83. Recuperado de: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n53p69

Azevedo Filho, E. R. (2016). A influência da prática da atividade física e da socialização na qualidade de vida do idoso: um estudo nos pontos de encontro comunitário do Distrito Federal. Dissertação de Mestrado em Gerontologia. Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, Brasil. Recuperado de: https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/tede/2185

Bessa, R. G. (2018). Espaços públicos como suporte para a prática atividade física: a percepção dos moradores acima de 40 anos da cidade de Cambé–PR. Dissertação de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo. Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil. Recuperado de: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UEL_ba9c0d3242026246d4063349a4e161bf

Balbé, G., Salin, M., Mazo, G., Andrade, A., & Streit, I. (2012). Produção científica sobre atividade física E envelhecimento em programas brasileiros de pós-graduação em educação física. Movimento, 18(1), 261-279. Recuperado de: https://doi.org/10.22456/1982-8918.19902

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2013). IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, 21(2), 513-518. Recuperado de: https://dx.doi.org/10.9788/TP2013.2-16

Camacho, A. C. L. F., & Coelho, M. J. (2010). Políticas públicas para a saúde do idoso: revisão sistemática. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(2), 279-284. Recuperado de: https://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000200017

Costa, A. B., & Zoltowski, A. P. C. (2014). Como escrever um artigo de revisão sistemática. In S. H. Koller, M. C. P. de Paula, J. Couto & V. Hohendorff (Orgs.), Manual de Produção Científica, (p. 55-70), Porto Alegre: Penso.

Gomes, I. S., & Caminha, I.O. (2014). Guia para estudos de revisão sistemática: uma opção metodológica para as Ciências do Movimento Humano. Movimento (ESEF/UFRGS), 20(1), 395-411. Recuperado de: https://doi.org/10.22456/1982-8918.41542

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2018). Expectativa de vida do brasileiro sobe para 75,8 anos. Recuperado de: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18469-expectativa-de-vida-do-brasileiro-sobe-para-75-8-anos.html

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2018). Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. Recuperado de: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017.html

Laurindo, V. C. S. (2014). Academia popular da pessoa idosa: usos e apropriações dos frequentadores do módulo da Praia de Camburi em Vitória. Dissertação de Mestrado em Educação Física. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil. Recuperado de: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7267

Maia, M. L. (2018). Proposta de um Instrumento para avaliação da qualidade do ambiente físico de academias ao ar livre. Dissertação de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo. Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, Brasil. Recuperado de: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/180208

Manta, S. W. (2017). Espaços públicos e estruturas para atividade física no lazer em Florianópolis: distribuição, qualidade e associação com a renda socioeconômica dos setores censitários. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/180531

Maranho, M. C. (2013). Uma reflexão sobre a qualidade de vida nos ambientes urbanos: parques e academias ao ar livre no município de Curitiba. Dissertação de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas. Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. Recuperado de: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UTP_75f2aeea9683b2cfe9726c9603490222

Motta, L. B., & Aguiar, A. C. (2007). Novas competências profissionais em saúde e o envelhecimento populacional brasileiro: integralidade, interdisciplinaridade e intersetorialidade. Ciência & Saúde Coletiva, 12(2), 363-372. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000200012

Nardi, A. C. F. A. (2013). Utilização das academias da terceira idade na promoção da saúde em Maringá-PR. Dissertação de Mestrado Profissional em Saúde Coletiva. Universidade de Brasilia, Brasília, DF, Brasil. Recuperado de: https://repositorio.unb.br/handle/10482/12417

Oliveira, F., Silva, T., & Soares Junior, A. (2019). Paralisia cerebral e resiliência por meio de programas de atividade física: revisão integrativa da literatura. Lecturas: Educación Física y Deportes, 24(253), 136-155. Recuperado de: https://www.efdeportes.com/index.php/EFDeportes/article/view/787

Paula, E. F., Sousa, D. P., Antunes, A. C. (2018). Teoria das Representações Sociais e software IRAMUTEQ: Uma Possibilidade Metodológica para Estudos nas Ciências Sociais e Humanas. In M. A. Freitas Junior, E. F. Rauski (Orgs.). Possibilidades Metodológicas para a Abordagem do Esporte nas Ciências Sociais. (Cap. 4. p. 77-105), Ponta Grossa: Texto e Contexto.

Pinheiro, W. L. (2016). Perfil dos idosos usuários de academias ao ar livre para a terceira idade da cidade de Fortaleza, Ceará. Dissertação de Mestrado em Saúde Pública. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil. Recuperado de: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/22888

Pinto, S. C. S. (2015). Ao ar livre: um estudo na academia popular de Santo Antônio em Vitória-ES. Dissertação de Mestrado em Educação Física. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil. Recuperado de: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7301

Pires, M. R. (2016). Análise dos programas de atividade física dos municípios pertencentes à Microrregião de Saúde de Uberaba. Dissertação de Mestrado em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brasil. Recuperado de: http://bdtd.uftm.edu.br/handle/tede/326

Silva, D. B (2018). Perfil dos usuários, utilização das Academias ao Ar Livre e características ambientais e individuais associadas ao volume de uso. Dissertação de Mestrado em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brasil. Recuperado de: http://bdtd.uftm.edu.br/bitstream/tede/684

Silva, V. L., Cesse, E. A. P., & Albuquerque, M. F. P. M. (2014). Determinantes sociais da mortalidade do idoso: uma revisão sistemática da literatura. Revista Brasileira de Epidemiologia, 17(Suppl. 2), 178-193. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/1809-4503201400060015

Trindade, C. S. (2015). Academia ao ar livre e a percepção de qualidade de vida de idosos. Dissertação de Mestrado em Saúde na Comunidade. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil. Recuperado de: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17139/tde-20072016-093722/pt-br.php

Publicado
2021-01-08
Cómo citar
Sousa, D. P. de, Oliveira, E. de, Pinto, G. M. C., Pedroso, B., Carmo, G. C. M. do, & Freitas Júnior, M. A. de. (2021). Producción científica sobre gimnasios al aire libre en programas de posgrado en Brasil. Lecturas: Educación Física Y Deportes, 25(272), 35-48. https://doi.org/10.46642/efd.v25i272.1842
Sección
Artículos de Investigación