Programa educativo con alumnos de una escuela privada para el consumo de verduras y vegetales

Resumen

La escuela tiene un papel fundamental en la promoción de la salud, con un entorno que promueva la adopción de prácticas alimentarias adecuadas. Este trabajo tuvo como objetivo evaluar los efectos de un programa educativo en la aceptación de verduras por parte de estudiantes que asisten a clases bilingües de tiempo completo en una escuela privada en el sur de São Paulo. Se trata de un estudio de intervención con enfoque lúdico-didáctico en tres momentos, con el propósito de favorecer la aceptación de verduras y hortalizas en la comida que se ofrece en el colegio. En el primer encuentro participaron 34 estudiantes, en el segundo 32 y en el tercero 33. La edad promedio fue de 7,8 ± 1,18 años y el 29,5% tenía sobrepeso. Hubo una reducción en el resto de la ingesta de repollo y calabacín y hubo una ausencia de estandarización en las porciones servidas. Como resultado del programa educativo, hubo una reducción en los valores del resto de la ingesta de repollo y calabacín, sin cambio en la aceptación de la calabaza con respecto a los valores iniciales.

Palabras clave: Escuela, Educación nutricional, Estado nutricional, Alimentación saludable, Comportamiento alimenticio

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Referencias

Almeida, E.L.S.T., Fontes, M.F.S., Anjos, A.V., Santos, L.C., e Pereira, S.C.L. (2015). Alimentação em unidades de educação infantil: planejamento, processo produtivo, distribuição e adequação da refeição principal. Revista O Mundo da Saúde, 39(3), 333-344. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-972952

Araújo, A.L., Ferreira, V.A., Neumann, D., Miranda, L.S., e Pires, I.S.C. (2017). O impacto da educação alimentar e nutricional na prevenção do excesso de peso em escolares: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento,11(62), 94-105. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5827260

Barbosa, R.M.S., Croccia, C., Carvalho, C.G.N., Franco, V.C., Salles-Costa, R., e Soares, E.A. (2005). Consumo alimentar de crianças com base 4 na pirâmide alimentar brasileira infantil.Revista de Nutrição, Campinas, 18(5), 633-641. https://doi.org/10.1590/S1415-52732005000500006

Brasil. Conselho Federal de Nutricionistas (2006). Resolução nº 380, de 28 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a definição das áreas de atuação do nutricionista e suas atribuições e estabelece parâmetros numéricos de referência, por área de atuação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. http://www.cfn.org.br/wpcontent/uploads/resolucoes/Res_380_2005.htm

Brasil. Ministério da Educação (2010). Manual para aplicação dos testes de aceitabilidade no PNAE. Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Escolar CECANE - UNIFESP e UNB. http://www.fnde.gov.br/arquivos/category/110-alimentacao-e-nutricao

Brasil. Ministério da Educação (2017). Manual para a aplicação dos testes de aceitabilidade no Programa Nacional de Alimentação Escolar (2ª ed.). Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Diretoria de Ações Educacionais. Coordenação Geral do Programa Nacional de Alimentação Escolar. https://nutricao.t4h.com.br/manuais/manual-para-aplicacao-dos-testes-de-aceitabilidade-no-pnae/

Brasil. Ministério da Saúde (2011). Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde.

Brasil (2012). Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. http://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/2017/03/marco_EAN.pdf

Cervato-Mancuso, A.M., Vincha, K.R.R., e Santiago, D.A. (2016). Educação Alimentar e Nutricional como prática de intervenção: reflexão e possibilidades de fortalecimento. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 26(1), 225-249. https://doi.org/10.1590/S0103-73312016000100013

Ferro, E.L.B.S., Mendes, M.G.M., Alves, K.O., Pereira, C.H.C., Silva, S.C., e Manochio-Pina, M.G. (2019). Cantina escolar e sua influência no estado nutricional. Brazilian Journal Of Development, 5(10), 19723-19738. https://doi.org/10.1590/1413-81232018247.19392017

Frizão, E.A., Pinto, T.D.C.J.M., Fornari, L.S., e Caramelli, B. (2015). Avaliação da ingestão alimentar de escolares de 6 a 10 anos de idade na região de Jundiaí/SP. Nutrição Brasil, 14(3). https://doi.org/10.33233/nb.v14i3.217

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009 - POF: Antropometria e Estado Nutricional de Crianças, Adolescentes e adultos no Brasil. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv45419.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2019). Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018 - POF: Primeiros resultados. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101670.pdf

Maia, E.R., Junior, J.F.L., Pereira, J.S., Eloi, A.C., Gomes, C.C., e Nobre, M.M.F. (2012). Validação de metodologias ativas de ensino-aprendizagem na promoção da saúde alimentar infantil. Revista de Nutrição, 25(1), 80-81. https://doi.org/10.1590/S1415-52732012000100008

Martínez-García, A., e Trescastro-López, E.M. (2016). Actividades de educación alimentaria y nutricional en escolares de 3º de primaria en el Colegio Público “La Serranica” de Aspe (Alicante): experiencia piloto. Revista Española de Nutrición Humana y Dietética, 20(2), 97. http://dx.doi.org/10.14306/renhyd.20.2.192

Nascimento, M.C.P.S. (2015). Alimentação escolar em três escolas públicas no município de Itapetinga - BA: uma contribuição para educação ambiental. [Dissertação de Mestrado,Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga: UESB].

Organização Mundial da Saúde (OMS) (2007). Curvas de crescimento da organização mundial da saúde. Brasília, DF. Recuperado em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_vigilancia_alimentar.php?conteudo=curvas_de_crescimento

Prado, B.G., Fortes,E.N.S, Lopes, M.A.L., e Guimarães, L.V. (2016). Ações de Educação Alimentar e Nutricional para escolares: um relato de experiência. Demetra: Alimentação, Nutrição e Saúde,11(2), 369-382. https://doi.org/10.12957/demetra.2016.16168

Silva, M.X., Brandão, B.C.O., Accioly, E., Pierucci, A.P.T.R., e Pedrosa, C. (2017). Educação alimentar em escolas públicas pode melhorar o conhecimento sobre alimentação e favorecer a aceitação das refeições planejadas pelo programa nacional de alimentação escolar? Demetra: Alimentação, Nutrição e Saúde, 12(4). https://doi.org/10.12957/demetra.2017.28204

Silva, M.X., Almeida, D.F., Ruiz, A.S., Soares, B., Almeida, F., Silva, J.X.S., e Pierucci, A.P.T. (2014). Nutrição escolar consciente: oficinas de culinária para alunos do ensino fundamental das escolas públicas do município de Duque de Caxias/RJ. Ciência e Cognição, 19(2), 267-277. http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/895

Silva, Q.S., Andrade, R.M., Azevedo, C.E.R., Viana, S.D.L., Kutz, N.A., e Salgueiro, M.M.H.A.O. (2017). Resto ingestão de hortaliças em escolas de Carapicuíba-SP. Revista família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social, 5(1), 146-153. https://doi.org/10.18554/refacs.v5i0.1999

Silva, R.H.M., Neves, F.S., e Netto, M. P. (2016). Saúde do Pré-escolar: Uma experiência de educação alimentar e nutricional como método de intervenção. Revista APS, 19(2), 321-327. https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15678

Vaz, C.S. (2006). Restaurantes - controlando custos e aumentando lucros. Brasília.

Publicado
2021-04-09
Cómo citar
Camargo, T. C. A. de, Prado, L. P. de S., Chimello, M. de F., Santos, J. L. S., Martins, D. P., Silva, N. M. da, Landim, K. S. D., Kutz, N. A., & Salgueiro, M. M. H. de A. de O. (2021). Programa educativo con alumnos de una escuela privada para el consumo de verduras y vegetales. Lecturas: Educación Física Y Deportes, 26(275), 150-163. https://doi.org/10.46642/efd.v26i275.2375
Sección
Artículos de Investigación