Volver a los detalles del artículo Acciones multidisciplinares en el cuidado de la práctica de actividades físicas: relato de experiencia


Ações multidisciplinares no cuidado da prática de atividades físicas: relato de experiência

Acciones multidisciplinares en el cuidado de la práctica de actividades físicas: relato de experiencia

Multidisciplinary actions in the care of the practice of physical activities: experience report

 

Murilo Marques Scaldaferri*

muriloscaldaferri@yahoo.com.br

Cristiane Santana Santos**

cristianesantana478@yahoo.com.br

Anderson Carvalho Vieira**

anderson_vieira2@hotmail.com

Obertal da Silva Almeida***

oalmeida@uesb.edu.br

 

*Biólogo, Mestre em Ciências Ambientais

Docente do Departamento de Ciências Exatas e Naturais

da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/Campus de Itapetinga-BA

**Graduandos Curso de Ciências Biológicas

da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/Campus de Itapetinga-BA

***Biólogo, Mestre na área de Fitotecnia, Docente do Departamento de Ciências Exatas e Naturais

da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/Campus de Itapetinga-BA

(Brasil)

 

Recepção: 22/02/2018 - Aceitação: 16/09/2018

1ª Revisão: 05/09/2018 - 2ª Revisão: 08/09/2018

 

Resumo

    Com os benefícios da prática de atividade física, movimentar o corpo e ter uma vida saudável se torna algo atraente. Contudo a prática de qualquer atividade física exige que tomemos alguns cuidados e neste contexto é importante discutir se as informações necessárias estão chegando da maneira adequada aos praticantes.Neste projeto buscou-serelatar a experiência vivida na elaboração e execução de atividades de extensão que visou difundir informações importantes sobre quais cuidados devem ser tomados por praticantes de atividades esportivas para que esta seja efetivamente um hábito saudável. As informações mais relevantes sobre o tema foram disponibilizadas através de vídeo educativo em redes sociais e TV de divulgação espalhadas pelo comércio de Itapetinga-Bahia-Brasil, criação de um blog, elaboração de cartazes e palestras em escolas públicas e particulares no mesmo município, de maneira simples e acessível. Os comentários postados em redes sociais e em nosso blog e as discussões pautadas durante as palestras nas escolas demonstraram que este tipo de intervenção alcança os seus objetivos, potencializando a aproximação entre a comunidade acadêmica e a sociedade.

    Unitermos: Atividades físicas. Saúde. Prevenção. Cuidados.

 

Abstract

    With the benefits of practicing physical activity, moving the body and having a healthy life becomes something attractive. However the practice of any physical activity requires that we take some care and in this context it is important to discuss if the necessary information is arriving in the appropriate way to the practitioners. The aim of this project was to report on the experience of developing and executing extension activities aimed at disseminating important information about what care should be taken by athletes to make it a healthy habit. The most relevant information on the subject was made available through educational video in social networks and TV of diffusion spread by the commerce of Itapetinga-Bahia-Brazil, creation of a blog, elaboration of posters and lectures in public and private schools in the same municipality, in a simple way and accessible. The comments posted on social networks and our blog and discussions during the lectures in schools, showed that this type of intervention achieves its objectives, enhancing the approximation between the academic community and society.

    Keywords: Physical activities. Health. Prevention. Care.

 

Resumen

    Con los beneficios de la práctica de la actividad física, mover el cuerpo y tener una vida sana se vuelve algo atractivo. Sin embargo, la práctica de cualquier actividad física exige que tomemos algunos cuidados y en este contexto es importante discutir si las informaciones necesarias están llegando de la manera adecuada a los practicantes. En este proyecto se buscó relatar la experiencia vivida en la elaboración y ejecución de actividades de extensión para difundir informaciones relevantes sobre qué cuidados deben ser tomados por practicantes de actividades deportivas para que éstas sean efectivamente un hábito saludable. La información más relevante sobre el tema fue disponible a través de vídeo educativo en redes sociales y TV de divulgación difundidas por los comercios de Itapetinga-Bahía-Brasil, creación de un blog, elaboración de carteles y conferencias en escuelas públicas y privadas en el mismo municipio. Los debates en las redes sociales y en nuestro blog y las discusiones pautadas durante las conferencias en las escuelas demostraron que este tipo de intervención alcanza sus objetivos, potenciando el acercamiento entre la comunidad académica y la sociedad.

    Palabras clave: Actividades físicas. Salud. Prevención. Cuidados.

 

Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 23, Núm. 244, Sep. (2018)


 

Introdução

 

    Parece fácil imaginarmos atualmente que a prática de atividades físicas está se tornando cada vez mais frequente no cotidiano das pessoas que estão a nossa volta, basta prestarmos um pouco de atenção que facilmente nos depararemos com pessoas correndo, ou pedalando nas praças e avenidas, estacionamentos de academias bastante movimentados e clubes cheios de pequenos grupos praticando os mais variados tipos de esporte.

 

    Em 2013, a Federação Paulista de Atletismo publicou um estudo demonstrando o crescimento de participantes em provas de corrida de rua no estado de São Paulo, onde em 2005 era de 209.501 participantes e em 2012 este número saltou para 533.629 participantes.

 

    De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), o Brasil está próximo de se tornar o líder mundial em número de academias. Atualmente o Brasil só tem menos empresas neste segmento que os Estados Unidos. Fazendo uma comparação entre os dois países, no período entre 2009 e 2012, os americanos cresceram 0,7% neste segmento, enquanto os brasileiros 29% no mesmo período(Rodrigues, 2014).

 

    Dados como estes mostram o quanto vem crescendo o número de pessoas que buscam na atividade física o desenvolvimento de uma rotina de práticas saudáveis. Este é um crescimento esperado se pararmos para pensar o quanto os mais diversos meios de comunicação apresenta a atividade física como a solução para muitos dos problemas de saúde que atingem a população.

 

    Oliveira-Campos e Rodrigues (2009) lembram que a inatividade física é um dos principais fatores de risco para doenças crônicas como diabetes, hipertensão e problemas cardíacos, paralelamente a prevalência de excesso de peso, mas que pode ser modificado com o início da prática de atividades físicas que influenciam também diretamente no bem-estar das pessoas.

 

    A promoção da atividade física é uma das prioridades da Estratégia Global para a Promoção da Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde da Organização Mundial de Saúde (Organização Mundial de Saúde [OMS], 2014).

 

    Com os benefícios da prática de atividade física tão bem difundidos e com um vasto leque de opções para a sua realização, movimentar o corpo e ter uma vida saudável acaba se tornando algo bem atraente e comprovadamente benéfico, o que eleva o número de praticantes que podem estar sendo acompanhados por profissionais da área ou ainda de forma amadora e independente.

 

    Enquanto praticar atividade física pode evitar que uma séria de problemas de saúde se desenvolva em nosso organismo, fazê-la sem um acompanhamento adequado ou sem se tomar cuidados básicos na preparação para o seu início, pode se tornar bastante arriscado.

 

    Uma avaliação previa é fundamental para minimizar os riscos que possam existir na prática das mais diversas formas de atividades físicas. Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina, a complexidade desta avaliação pode variar desde a aplicação de questionários até exames médicos sofisticados, dependendo dos objetivos desejados, infraestrutura e pessoal qualificado disponíveis (Nóbrega et al., 1999). O PAR-Q (Physical Activity Readiness Questionnaire, ou Questionário de Prontidão para Atividade Física) tem sido sugerido como padrão mínimo de avaliação de pré-participação, pois pode identificar através de retorno positivo, os indivíduos que necessitam de avaliação médica prévia. Neste questionário encontraremos perguntas sobre o conhecimento do avaliado com relação à existência de algum problema cardíaco, de pressão arterial, se já sentiu dores no peito ou tontura durante a realização de qualquer atividade ou se possui algum problema articular ou muscular.

 

    A dor pode surgir durante a atividade física. O importante é prestar atenção aos sinais que seu corpo está dando. Dores em excesso pode ser sinal de algum problema mais grave (Conselho Federal De Educação Física [CONFEF], 2010).

 

    Uma preocupação maior gira em torno dos praticantes com frequência irregular, ou mais conhecidos como atletas de fim de semana. Esses grupos são facilmente encontrados nos mais diversos clubes espalhados pelo país, onde amigos se reúnem principalmente nos fins de semana, para praticarem esportes como futebol, tênis, vôlei e tantos outros.

 

    A Organização Mundial de Saúde alerta que atividades intensas sem preparo prévio podem ocasionar a piora da condição de saúde. Dor aguda no abdômen, sudorese em excesso assim como respiração muito ofegante, tonturas e vermelhidão em excesso, são sinais de que devemos optar por atividades mais leves em um primeiro momento (OMS, 2014).

 

    Praticar qualquer atividade física exige que tomemos alguns cuidados, na escolha da modalidade, na intensidade e frequência e também na alimentação, mas será que todas essas informações estão chegando da maneira adequada para um número significativo de praticantes?

 

    Os benefícios trazidos pela prática de atividades físicas são bastante divulgados das mais diversas formas pelos meios de comunicação, o que certamente influencia no crescente número de pessoas que, de alguma maneira, buscam sair da zona de conforto e movimentar o corpo. O hábito da prática esportiva é fator primordial na busca de uma vida cada vez saudável e longa.

 

    O que preocupa é a forma com que este hábito vem sendo introduzido na rotina acelerada dos dias atuais. A frequência irregular, alta intensidade buscando resultados rápidos, a não realização de um acompanhamento profissional adequado, alimentação insuficiente, vestuário e muitos outros pontos devem ser considerados para que a prática de atividade física se torne um hábito realmente saudável e não traga nenhum tipo de problema futuro.

 

    Neste contexto, este projetobuscou relatar a experiência vivida na elaboração e execução de atividades de extensão, aprovadas pela Pró-Reitoria de Extensão desenvolvida pelo Núcleo Multidisciplinar de Saúde Preventiva, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) que visou difundir informações importantes sobre quais cuidados devem ser tomados por praticantes de atividades esportivas para que esta seja efetivamente um hábito saudável.

 

Metodologia

 

Tipo de pesquisa

 

    De acordo com Silva e Menezes (2005), por ser uma pesquisa que visa proporcionar maior familiaridade com o problema com vistas a torná-lo explícito ou construir hipóteses, esta se classifica como exploratória e tem sua natureza qualitativa. Este tipo de pesquisa não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas.

 

Levantamento bibliográfico

 

    Para a realização do levantamento bibliográfico foram considerados os procedimentos de Romanowski (2002) destacando-se a definição de descritores, localização de bancos de pesquisa, critérios de seleção de material e leitura e discussão do material coletado.

 

    Nesta etapa dedicou-se à busca, seleção e organização do material selecionado. Após seleção do material foram realizadas leituras detalhadas, destacando os pontos mais importantes que deveriam ser analisados e discutidos com os multiprofissionais que fizeram parte da equipe de execução do projeto. Era importante que as informações destacadas fizesse parte da realidade do público alvo, para que estes se identificassem com o que estaria sendo discutido e pudessem levar novos conhecimentos para o cotidiano.Importante também levar em consideração ainda neste momento nas diversas formas de difusão destas informações e como as mesmas poderiam alcançar de forma eficiente uma maior número de pessoas. Com as leituras, análises e discussões realizadas, foi construído um texto que serviu de base de informações para realização das etapas seguintes.

 

Palestras

 

    Com uma grande quantidade de informações relevantes sobre o tema já organizada, chega a hora de pensar nas estratégias de difusão do conhecimento. Nesta etapa, a equipe executora do projeto, considerou importante levar em consideração, para cada estratégia, o público que se deseja atingir e as melhores formas de alcançar os objetivos.

 

    Buscando alcançar adolescentes, que devido à faixa etária, poderiam estar no início da construção de uma rotina de atividades físicas ou ainda precisando de um estímulo para começar a se exercitar, foram elaboradas palestras (Figura 1) que foram apresentadas para alunos das séries finais do ensino fundamental (8º e 9º anos) e médio de escolas públicas e particulares do município de Itapetinga-Bahia-Brasil.

 

    Para Roman, Majem-Serra, Ribas-Barba, Pérez-Rodrigo e Aranceta (2008), a adolescência é um período crítico em relação à atividade física. Mesmo sendo o grupo populacional fisicamente mais ativo, a proporção de adolescentes fisicamente inativos é elevada. Segundo Hallal, Victora, Azevedo e Wells(2006),os hábitos de atividade física adquiridos na adolescência podem predizer o nível de prática de atividade física na idade adulta e já são conhecidos os riscos à saúde associados a baixos níveis de atividade física em adolescentes, bem como os benefícios decorrentes dessa prática, quando realizada de forma adequada, suficiente e regular. 

 

    Buscando determinar o impacto de uma única palestra sobre a conscientização de um tema principal, Andrade et al. (1999) avaliaram 49 (30 homens; 19 mulheres) alunos de Educação Física, que assistiram a uma palestrae puderam confirmar a eficiência desta intervenção.

 

    As palestras foram preparadas considerando pontos como alimentação adequada, riscos de lesões, a preocupação maior com a estética sobre a saúde, uso de substâncias que prometem aumentar o desempenho e principalmente a importância de buscar orientações com profissionais qualificados. Estas palestras foram ministradas pelo coordenador do projeto, com o auxílio dos alunos de graduação, que fizeram parte da equipe executora, buscando alcançar um público alvo em escolas, em ações conjuntas com os professores de educação física e academias, já que estes são locais potenciais para reunir ouvintes envolvidos na prática de algum tipo de atividade física. 

 

    Durante as palestras foi possível alcançar mais de uma centena de adolescentes que se mostraram interessados com os temas discutidos e que muitas vezes buscavam informações sobre como conseguir resultados de forma rápida e que deixavam transparecer que a preocupação com a estética estava acima dos benefícios à saúde que a prática de atividade física pode trazer.

 

    Scherer, Martins, Pelegrini, Matheus e Petroski (2010), destacam que a cultura atual veicula como ideal de corpo, por intermédio da mídia, uma estética magra para as meninas e musculosa para os meninos. Por isso, a gordura corporal é considerada aspecto depreciado em nossa sociedade. Mas busca por um corpo “perfeito” de maneira fácil e rápida pode levar as pessoas a cometerem erros na escolha da estratégia para alcançarem seus objetivos, podendo causar danos à saúde.

 

Figura 1. Palestras em escolas públicas e particulares de Itapetinga – Bahia-Brasil

Fonte: Autoria própria

 

Elaboração de cartaz

 

    Outra forma que a equipe executora encontrou de disseminar as informações coletadas foi a criação de um cartaz (Figura 2) fazendo uso de ilustrações e uma linguagem simples e direta, buscando alertar os praticantes de atividades físicas sobre os principais erros cometidos durante a prática da atividade, bem como os cuidados que devem ser tomados para evitar que este hábito traga problemas de saúde. Estes cartazes foram fixados em pontos estratégicos da cidade, levando em consideração a temática abordada, como academias, clínicas e nas escolas onde as palestras foram ministradas.

 

Figura 2. Cartaz de divulgação sobre os principais cuidados na prática esportiva

Fonte: Autoria própria

 

    A experiência visual humana é fundamental no aprendizado para que possamos compreender o meio e reagir a ele; a informação visual é o mais antigo registro da história humana (Dondis, 2007).

 

    A Agência Experimental de Publicidade e Propaganda - Brado faz constantemente o uso de cartazes como alternativa para divulgação na própria instituição, pois além de possuírem grande funcionalidade, estes conseguem atingir grande parte do seu público-alvo (Santos, 2008).

 

    Para construção do conteúdo que iria compor o cartaz foram utilizadas algumas das informações levantadas na coleta de dados e posteriormente este conteúdo foi analisado por profissionais da área, médicos e fisioterapeuta, que fazem parte do grupo de pesquisa Núcleo Multidisciplinar de Saúde Preventiva e que contribuíram na execução deste projeto.

 

Produção de vídeo

 

    Levando em consideração pesquisa realizada pela Comissão do Sistema Integrado de Apoio ao Ensino (SIAE) da Universidade de São Paulo (USP), que já apontava o vídeo como uma das três mídias mais utilizada entre estudantes (Armes, 1999), foi produzido um vídeo de curta duração, recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=yd1pZf5LT60, buscando difundir de forma dinâmica e abrangente, importantes dicas para realização de atividade física com menos riscos de acarretar problemas de saúde. Importante ressaltar que o conteúdo informativo deste vídeo foi baseado na coleta de dados realizada no início do projeto e foi aprovado pelos profissionais da área que fazem parte do grupo de pesquisa, Núcleo Multidisciplinar de Saúde Preventiva. Este vídeo foi divulgado nos mais diversos meios de comunicação como blogs, sites de divulgação de vídeos, aplicativos de celular, redes sociais e TV, que estão instaladas em diversos pontos comerciais da cidade e eventos esportivos da região.

 

 

Video

 

    Para Adamic e Adar (2005), as informações que são difundidas através das redes sociais se espalham de forma quase epidêmica, alcançando grandes proporções tanto online quanto off-line.

 

Resultados e discussão

 

    Os resultados obtidos com o desenrolar de cada etapa demonstram que as estratégias adotadas alcançaram seus objetivos, inclusive por chegar a um elevado número de pessoas.

 

    Os alunos extensionistas tiveram contado direto com a metodologia da pesquisa bibliográfica, tornando-se qualificados para a elaboração de levantamentos bibliográficos em qualquer linha de pesquisa. Com os cartazes foram envolvidos, ainda que indiretamente, dezenas de pessoas que se sentiram atraídas ou convidadas a lerem as informações que foram disponibilizadas de forma simples e acessível.Em seu relato de experiência sobre a utilização de cartazes como medida de incentivo à higienização das mãos. Neves, Tipple, Souza, Melo, Ferreira e Silva (2009), consideraram o uso de cartazes como uma importante modalidade interativa que valoriza a discussão do tema, o que pode contribuir para a reflexão crítica e o repensar das práticas cotidianas.

 

    A repercussão do vídeo merece destaque por ter um alcance que superou as expectativas iniciais do grupo. Confirmando as considerações de Recuero (2007), que afirma que o surgimento da Internet proporcionou que as pessoas pudessem difundir as informações de forma mais rápida e mais interativa. Tal mudança criou novos canais e, ao mesmo tempo, uma pluralidade de novas informações circulando nos grupos sociais.Portanto, utilizar as redes sociais para transmitir informações relevantes se mostrou uma excelente estratégia de extensão. É indiscutível o quanto os vídeos circulam e alcançam um enorme número de pessoas das mais diversas classes sociais e culturais. Daí a importância de se usar uma linguagem que possa ser assimilada independente dessas diferenças.

 

    De todas as estratégias, as palestras foram as que possibilitaram maior troca de informações e discussões. Com esta prática foi possível alcançar mais de uma centena de alunos de escolas públicas e particulares que mostraram o quanto a prática de atividades físicas vem sendo desenvolvidas de maneira aleatória, sem cuidados prévios e acompanhamento qualificado, bem como o quanto a estética está se sobrepondo à saúde, levando atletas amadores a cometerem erros como uso de substâncias inapropriadas e excessos na intensidade e carga de exercícios, o que pode trazer sérios problemas de saúde. Portanto, as palestras permitiram alertá-los e indicar os melhores caminhos para o desenvolvimento de uma prática esportiva saudável.

 

Conclusões

 

    A Relação entre ensino, pesquisa e extensão ficou evidente durante as etapas de desenvolvimento do projeto. O aluno extensionista assumiu o papel de protagonista no processo de sua formação, atuando na produção dos panfletos e vídeos distribuídos e exibidos de forma estratégica na difusão das informações coletadas, estando diretamente ligados à organização do ciclo de palestras, levando essas informações para além da universidade, criando uma via de interação entre o meio acadêmico e a sociedade.

 

Referências

 

    Adamic, L. & Adar, E. (2005). How to Search a Social Network. Social Networks, 27 (3), 187-203.

 

    Andrade, D., Matsudo, S., Matsudo, V., Araújo, T., Andrade, E., Figueira, A. Jr., & Oliveira, L. (1999).Impact of a single lecture on physical activity and health knowledge of physical education teachers. Med Sci Sports Exerc. 31(5), 271-282.

 

    Armes, R. (1999). On vídeo: o significado do vídeo nos meios de comunicação. São Paulo: Summus.

 

    Conselho Federal de Educação Física-Brasil (2010). Recomendações sobre condutas e procedimentos do profissional de Educação Física na atenção básica à saúde. Rio de Janeiro: CONFEF.

 

    Dondis, A. (2007). Sintaxe da Linguagem Visual. São Paulo: Martins Fontes.

 

    Federação Paulista de Atletismo. (2013). Corrida de rua cresce 15% em São Paulo. Recuperado de http://o2porminuto.

 

    Hallal, P., Victora, C.G., Azevedo, M.R. & Wells, J.C. (2006).Adolescent physical activity and health: a systematic review. Sports Med., 36(12), 1019-30. 

 

    Neves, Z.C.P., Tipple, A.F.V., Souza, A.C.S., Melo, D.S., Ferreira, L.R. & Silva, E.A.C. (2009). Relato de experiência: utilização de cartazes estilizados como medida de incentivo à higienização das mãos. Revista Eletrônica de Enfermagem, 11(3), 738-45.

 

    Nóbrega, A. C. L., Freitas, E. V., Oliveira, M. A. B., Leitão, M. B., Lazzoli, J. K., Nahas, R. M. …Rose, Eduardo Henrique de. (1999). Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde no idoso. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 5(6), 207-211.

 

    Oliveira-Campos, M. &Rodrigues, J.F. Neto. (2009). Doenças crônicas não transmissíveis: fatores de risco e repercussão na qualidade de vida. Revista Baiana Saúde Pública; 33(4).

 

    Organização Mundial da Saúde. Atividade Física. (2014). Aliança de Controle do Tabagismo. São Paulo: ACT.

 

    Recuero, R. (2007). Considerações sobre a Difusão de Informações em Redes Sociais na Internet. Intercom. Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação VIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Região Sul, Passo Fundo – RS.

 

    Rodrigues, G. (2014). Brasil caminha para assumir liderança mundial em número de academias. Agência Sebrae de notícias – ASN. Recuperado de http://www.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/NA/brasil-caminha-para-assumir-lideranca-mundial-em-numero-de-academias,ff8fd455e8d08410VgnVCM2000003c74010aRCRD

 

    Roman, B., Majem-Serra, L., Ribas-Barba, L., Pérez-Rodrigo, C. & Aranceta, J. (2008). How many children and adolescents in Spain comply with the recommendations on physical activity? The Journal Of Sports Medicine And Physical Fitness, 48(3), 380-387.

 

    Romanowski, J. P. (2002). As licenciaturas no Brasil: um balanço das teses e dissertações dos anos 90. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo.

 

    Santos, S. S. S. (2008). O processo de percepção e a cultura visual. Universidade do Oeste de Santa Catarina.

 

    Scherer, F.C., Martins, C.R., Pelegrini, A., Matheus, S.C. & Petroski, E.L. (2010). Imagem corporal em adolescentes: associação com a maturação sexual e sintomas de transtornos alimentares. Jornal Brasileiro de Psiquiatria,59(3), 198-202.

 

    Silva, E. L. & Menezes, E. M. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. (3ª ed.) Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC.


Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 23, Núm. 244, Sep. (2018)

Utilizamos cookies para ofrecer la mejor experiencia, navegando en esta web aceptas su uso. OK