Volver a los detalles del artículo Revisión integradora: templanza y salud en el adolescente

Revisão integrativa: temperança e saúde do adolescente

Integrative review: temperance and health in adolescent

Revisión integradora: templanza y salud en el adolescente

 

Ellen Souza da Costa*

ellensdcostaa@gmail.com

Thiago Bispo Rodrigues**

thiagorodrigues810@gmail.com

Gina Andrade Abdala***

ginabdala@gmail.com

Nadma Forti****

nadma.forti@ucb.org.br

 

*Graduanda em Psicologia. Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP-SP)

**Licenciado em Biologia. Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP-SP)

***Enfermeira, doutora em Ciências (USP), professora do mestrado em Promoção da Saúde

e Enfermagem no Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP-SP)

****Mestranda em Promoção da Saúde. Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP-SP)

(Brasil)

 

Recepção: 26/12/2019 - Aceitação: 27/01/2020

1ª Revisão: 20/01/2020 - 2ª Revisão: 27/01/2020

 

Este trabalho está sob uma licença Creative Commons

Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional (CC BY-NC-ND 4.0)

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt

 

Resumo

    Introdução: a adolescência é um período importante no desenvolvimento humano e a ciência considera que eles agem por impulso, realizando seus desejos e negligenciando sua saúde, desconsiderando a temperança. Objetivo: investigar estudos publicados a respeito da influência da temperança na vida de adolescentes e identificar os benefícios que esse princípio de vida pode trazer. Método: realizou-se uma Revisão Integrativa de Literatura entre os anos de 2013 e 2018 na base de dados Lilacs, Biblioteca Virtual em Saúde e PUBMED por meio dos descritores “temperança”, “moderação”, “sobriedade” AND “adolescente”. Resultados: foram encontrados oito artigos relacionados ao tema, porém apenas cinco atendiam ao objetivo do estudo. Um deles teve como foco principal a temperança em relação ao estresse, dois estavam relacionados ao consumo de álcool e dois ao uso excessivo de smartphones, jogos eletrônicos e Internet em geral. Conclusão: essa pesquisa apontou que ainda existem poucos estudos que relacionam a temperança à saúde do adolescente e que este conceito ainda está muito limitado aos vícios e não abrange outros comportamentos cotidianos, cujos excessos comprometem o estado de saúde.

    Unitermos: Temperança. Moderação. Sobriedade. Adolescente.

 

Abstract

    Introduction: adolescence is an important period in human development and science considers that they act on impulse, fulfilling their desires and neglecting their health, disregarding the temperance. Objective: to investigate published studies about temperance on adolescent health. Method: an Integrative Literature Review between 2013 and 2018 in the Lilacs, Virtual Health Library and PUBMED database was performed using the descriptors “temperance”, “moderation”, “sobriety” AND “adolescent”. Results: eight articles related to the theme were found, but only five met the objective of this study. One of them had as main research focus temperance in relation to stress, two is related to alcohol consumption among young people and two to excessive use of smartphones, electronic games and Internet in general. Conclusion: This research pointed out that there are still few studies that relate temperance to adolescent health and that this concept is still very limited to addictions and does not cover other daily behaviors, whose excesses compromise their health status.

    Keywords: Temperance. Moderation. Sobriety. Adolescent.

 

Resumen

    Introducción: la adolescencia es un período importante en el desarrollo humano y la ciencia considera que actúan por impulso, satisfacen sus deseos y descuidan su salud, sin actuar con templanza. Objetivo: investigar estudios publicados sobre templanza y salud de los adolescentes. Método: Se realizó una revisión integral de literatura entre 2013 y 2018 en la base de datos Lilacs, Virtual Health Library y PUBMED utilizando los descriptores "templanza", "moderación", "sobriedad" AND "adolescente". Resultados: se encontraron ocho artículos relacionados con el tema, pero solo cinco cumplieron el objetivo de este estudio. Uno de ellos tenía como foco principal de investigación la templanza en relación con el estrés, dos sobre el consumo de alcohol entre los jóvenes y dos sobre el uso excesivo de teléfonos inteligentes, juegos electrónicos e Internet en general. Conclusión: Esta investigación señaló que todavía hay pocos estudios que relacionan la templanza con la salud de los adolescentes y que este concepto todavía está muy limitado a las adicciones y no cubre otros comportamientos cotidianos, cuyos excesos comprometen la salud.

    Palabras clave: Templanza. Moderación. Sobriedad. Adolescente.

 

Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 24, Núm. 260, Ene. (2020)


 

Introdução

 

    Segundo a Biblioteca Virtual em Saúde (2019), temperança é “moderação habitual na indulgência de um apetite natural, especialmente, mas não exclusivamente, com relação ao consumo de álcool". Temperança é a “qualidade ou característica de quem é moderado”. É o “comedimento ao consumir alimentos e bebidas”. (Michaelis, 2019)

 

    Percebe-se atualmente entre os adolescentes um desequilíbrio quanto ao uso de álcool, drogas, uso da tecnologia digital e outros vícios. Juntamente com esses hábitos, nota-se as possíveis consequências, pois os mesmos ficam aparentemente impregnados em suas mentes. O consumo excessivo de álcool e outras substâncias alucinógenas são obstáculos para o desenvolvimento entre os adolescentes em diferentes partes do mundo. No Brasil, pesquisas vêm mostrando nos últimos anos que o início do consumo de álcool, de tabaco e de diversas drogas ocorrem principalmente na adolescência, tornando-se um preocupante problema social e de saúde pública. (Brasil, 2016; Aquino et al., 2019)

 

    Com a utilização do álcool na adolescência haverá o prejuízo para o desempenho neurocognitivo. Essa alteração, a longo prazo, afeta os circuitos de estresse do cérebro, levando a diminuição da função intelectual e tomada de decisão racional e maturação emocional. O consumo intenso de álcool e o início precoce do uso entre adolescentes aumentam a impulsividade. O álcool tem sido usado por esse grupo como forma de enfrentamento de redução das tensões. (Rosa, Loureiro & Sequeira, 2018)

 

    Um dos fatores precursores que aumenta a chance do uso de álcool e outras drogas na adolescência está relacionado ao contexto familiar. Por exemplo, o tabagismo dos pais esteve associado com o consumo dessas substâncias em 6.264 adolescentes, independente de sexo, idade, escolaridade materna e local de moradia. (Oliveira et al., 2018)

 

    O uso do álcool é uma preocupação mundial. Na Austrália, um em cada cinco adolescentes de 16 a 17 anos ingere bebida alcoólica. Isso é um fator de risco, pois eles relatam complicações relacionadas ao consumo de álcool e também experiências sexuais precoces das quais se arrependem depois. Destaca-se que houve uma diminuição de consumo precoce de álcool entre os adolescentes em alguns países da Europa Ocidental e na Austrália. (Livingston, 2014)

 

    Com relação às drogas, em um estudo com 667 alunos, os resultados mostraram que 75% dos discentes afirmavam conhecer algum colega usuário de drogas entre 12 e 18 anos e 91% deles acreditavam que as escolas devem fazer alguma intervenção referente à prevenção de drogas. (Santos, Scaldaferri & Almeida, 2018)

 

    Temperança envolve também o uso reduzido, a abstinência ou o controle do uso de drogas ilícitas. Pesquisadores alertam quanto aos danos causados pelo uso da maconha no declínio das funções neuropsicológicas; no comprometimento da motivação, principalmente, no desempenho escolar e no surgimento de surtos psicóticos, relacionados ou não com a esquizofrenia. (Volkow et al., 2016)

 

    Ao investigar sobre o uso de smarthphones e Internet na geração atual, foi encontrado alto nível de dependência destes como uso de álcool, associado à ansiedade, depressão e à falta de temperança. Constitui um desafio para as instituições de ensino canalizar os trabalhos com as novas gerações, que estarão, cada vez mais, super conectadas, praticamente em qualquer hora e qualquer lugar (Choi et al., 2015). A temperança pode ser um caminho para favorecer a auto regulação, essencial nas interações sociais e capacidades cognitivas. (Guerin, Priotto & Moura, 2018)

 

    Ao avaliar a prevalência de sintomas auditivos em 64 adolescentes de São Paulo, pelo uso excessivo do smartphone, ao ouvir música amplificada individual, os autores chegaram à conclusão que os dispositivos eletrônicos devem ser utilizados com moderação e as horas devem ser limitadas durante a jornada diária deles. (Bozza et al., 2017)

 

    Assim, este estudo teve como objetivo investigar pesquisas publicadas a respeito da temperança na saúde do adolescente.

 

Método

 

    Trata-se de uma revisão integrativa de literatura sobre o tema “temperança na adolescência”. Para essa revisão, se aplicou os seguintes passos: (1) elaboração da questão da pesquisa; (2) busca na literatura; (3) seleção dos artigos; (4) extração e análise dos dados; (5) discussão dos resultados e (6) síntese do conhecimento ou revisão da apresentação. (Mendes, Silveira & Galvão, 2008)

 

    A pergunta elaborada para a síntese da pesquisa foi: “O que existe publicado sobre a temperança e a saúde do adolescente?” Os descritores e operadores booleanos utilizados foram Temperança OR Sobriedade OR Moderação AND Jovens OR Adolescente AND Saúde, encontrados nos Descritores em Ciências da Saúde (Biblioteca Virtual em Saúde, 2019).

 

    A busca na literatura se deu no período entre os dias 01 a 07/05 de 2018, por meio das bases de dados Lilacs, BVS e PUBMED. Para seleção da presente revisão foram usados os seguintes critérios: Artigos publicados entre 2013 a 2018, nacionais e internacionais e, a faixa etária do público estudado entre 12 e 20. Os artigos excluídos foram por falta de foco temático da pesquisa, por estar indisponível em acesso aberto ao público.

 

    Na Base de dados da Lilacs, foram selecionados quatro artigos dos quais após a análise dos resumos, apenas um deles foi selecionado devido ao tema estar relacionado à pergunta de pesquisa.

 

    Na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), a busca se deu com os descritores temperança OR sobriedade OR moderação AND adolescentes AND saúde e foram encontradas 144 publicações. Filtrou-se por adolescente, ficando 129 trabalhos, dos quais seleciona-se apenas artigos que mantinham o foco principal da pesquisa “temperança”, chegando a um número de 44 artigos, onde quatro estavam disponíveis para discentes. Após a análise dos resumos, nenhum foi aceito para a revisão bibliográfica, pois não se adequavam à pesquisa.

 

    Na base de dados da PUBMED foram utilizados para pesquisa os descritores Temperance AND Adolescent, onde foram encontradas 333 publicações, sendo selecionados 22 trabalhos realizados nos últimos cinco anos e apenas quatro se adequaram ao tema.

 

    Uma porcentagem de 80% (n= 4) desses artigos se classificaram com nível de evidência “IV” por serem de corte transversal e 20% (n = 1) nível III, por ser do tipo longitudinal. (Stetler et al., 1998)

 

    Utilizou-se o modelo de fluxograma segundo o PRISMA (Principais Itens para Relatar Revisões Sistemáticas e Meta-análises) (Galvão, Pansani & Harrad, 2015), que é uma ferramenta útil para visualizar o processo de busca na literatura (Figura 1).

 

Figura 1. Diagrama dos artigos encontrados, respondendo-se à questão: 

“O que existe publicado sobre a temperança e a saúde do adolescente?”

Fonte: Elaborado pelos autores (2019)

 

    Para o registro dos dados encontrados foi elaborado um formulário contendo informações sobre: Identificação (autor, título, periódico, ano); o tipo do estudo e objetivo (se é qualitativo, quantitativo, revisão ou outro); características metodológicas estudadas, resultados e conclusão. Na presente investigação foram encontrados estudos baseados em três aspectos: temperança e o estresse, temperança e o uso do álcool e por fim, temperança e o uso excessivo da tecnologia (Quadro 1).

 

Quadro 1. Relação dos artigos encontrados com o tema: Temperança e a Saúde do Adolescente

Base de dados dos artigos

Autores, ano e fonte da publicação

Título do artigo

Tipo de estudo e objetivo

Tipo de amostra

Variáveis estudadas do fenômeno

Resultados e análise estatística

Artigo relacionado com a temperança e o estresse

Pubmed

Duan

(2016)

Quality of life research

The benefits of personal strengths in mental health of stressed students: A longitudinal investigation.

Pesquisa longitudinal. Explorar o papel das forças individuais, incluindo força interpessoal, força intelectual e força de temperança, afetando a saúde mental de estudantes.

404 estudantes do ensino médio, chineses estressados participando de um estudo longitudinal de 12 meses.

Estresse percebido, força da temperança, força intelectual, saúde mental.

As forças individuais podem funcionar como fatores de defesa contra o estresse percebido e são mecanismos de proteção para a saúde mental.

Artigos relacionados com a temperança e o uso de álcool

Pubmed

 

 

Skala & Walter

(2013)

Neuropsychiatrie

Adolescence and alcohol: a review of the literature

 

Revisão de literatura.

Uso de álcool entre os adolescentes, sua influência, estratégias de prevenção, tratamentos, saúde mental e o uso de outras substâncias.

 

Foram usados 116 artigos.

Uso de álcool, abuso de substâncias, vícios,

Adolescentes,

Prevention.

Não só o uso de álcool, mas também abuso e vício são fenômenos comuns entre adolescentes no mundo ocidental. Mais de dois terços consomem álcool e mais da metade de todos os adolescentes experimentam intoxicação em algum momento.

LILACS

Malta et al.

(2014)

Revista de Saúde Pública

Exposição ao álcool entre escolares e fatores associados

Estudo quantitativo.

Analisar a prevalência de consumo de álcool entre escolares

adolescentes e identificar fatores individuais e contextuais associados.

Amostra probabilística complexa em dois estágios, resultando em 59.699 alunos.

Sociodemográficas, contexto escolar e familiar, fatores de risco e fatores de proteção.

 

O maior consumo de álcool esteve associado a escolares: com 15 anos ou mais (OR = 1,46), do sexo feminino (OR = 1,72), de cor branca, filhos de mães com maior escolaridade, que estudam em escola privada, que experimentaram tabaco (OR = 1,72) e drogas (OR = 1,81), que têm consumo regular de tabaco (OR = 2,16).

Artigos relacionados com a temperança e o uso excessivo de tecnologias digitais

Pubmed

 

 

Choi et al.

(2015)

Journal of Behavioral Addictions

Comparison of risk and protective factors associated with smartphone addiction and Internet addiction

Estudo de corte transversal.

Avaliar os fatores de risco e proteção associados ao vício em smartphone sem estudantes.

448 estudantes na Coreia do Sul.

Escala de Vício de Smartphone, Teste de Vício em Internet, AUDIT, Inventário de Beck e Ansiedade. Inventário de

Escala de Resiliência.

Existe associação entre o uso de smartphones e Internet com o mau uso dessa tecnologia leva a impulsividade que se torna um fator de risco para os vícios

Pubmed

 

 

Oliveira et al.

(2017)

Temas psicologia

 

Uso de Internet e de Jogos Eletrônicos entre Adolescentes em Situação de Vulnerabilidade Social

 

Estudo transversal.

Caracterizar o tipo de atividade, frequência, duração, companhia, local, finalidade do uso de internet e de jogos eletrônicos, incluindo dificuldades encontradas no manejo da rede.

60 adolescentes entre 14 e 18 anos, em situação de vulnerabilidade social, que usam Internet e jogos eletrônicos.

Questionário visando caracterizar o uso que essa população faz da Internet e de jogos eletrônicos.

Os resultados mostram que eles se expõem a condutas de risco. Discute-se a necessidade de capacitar pais e educadores para estimular o uso que desenvolva competências, visando inclusão social e a prevenção do uso inadequado ou excessivo.

Fonte: Elaborado pelos autores (2019)

 

Discussão

 

    A temperança foi entendida, no contexto deste estudo, como o uso indiscriminado de álcool, drogas e tecnologia pelos adolescentes. Esteve relacionada ao desequilíbrio na vida juvenil, pois leva ao uso abusivo e ao vício. A discussão será apresentada em três eixos, nos quais serão especificadas as categorias temáticas deste modo: Temperança e o estresse; Temperança e o uso do álcool; Temperança e o uso excessivo da tecnologia.

 

Temperança e o estresse

 

    O estudo de Duan (2016) demonstrou que as forças individuais têm efeitos positivos sobre os aspectos da saúde mental e a força interpessoal e temperança aparecem como pontos fortes na defesa contra o estresse, sugerindo contribuições importantes de forças pessoais para a saúde mental. Duan (2016) identificou que a saúde psicológica, ou seja, os aspectos positivos da saúde mental estão relacionados à presença dessas forças, enquanto, a ausência ou excesso delas, são sintomas psicológicos negativos ou distúrbios. A força existente na temperança caracteriza os indivíduos que persistem em alcançar metas e desenvolver o autocontrole. (Duan, 2016)

 

Temperança e o uso do álcool

 

    Observou-se que a temperança deveria ser incentivada desde a infância, pois o bom senso do equilíbrio auxilia em diferentes áreas da vida, principalmente na adolescência quando a impulsão e o desejo são os principais fatores que influenciam na tomada de decisões.

 

    No processo da formação de novos neurônios quando associado ao consumo de álcool na adolescência resulta em alterações no desenvolvimento do cérebro, além disto, traz prejuízos na vida adulta como, por exemplo, na tomada de decisão coerente além de trazer um aumento da impulsividade. Os fatores apontados para se tomar iniciativa do uso de álcool e outras drogas tem sido: para reduzir a tensão, modo de enfrentamento dos problemas e como apelo à modernidade. O adolescente para ser aceito em um grupo social, muitas vezes faz o que todos estão fazendo como alternativa para se enquadrar ao perfil dos outros jovens. (Skala & Walter, 2013)

 

    Os resultados do estudo de Malta (2014) apresentaram o agravamento do consumo de álcool entre os adolescentes, pela antecipação da exposição, a magnitude e os fatores associados. Mostraram que os adolescentes do sexo feminino consomem mais álcool que os do sexo masculino e os alunos cujas mães possuem menor escolaridade apareceram com menor chance de uso do álcool. Os dados analisados apresentaram que os interesses manifestados pelos pais em relação à vida diária dos filhos, os lugares que frequentam, o que fazem no tempo livre e os amigos com quem se relacionam, desempenham um importante papel, que diminui o comportamento de risco na adolescência, como o uso de álcool e drogas.

 

Temperança e o uso excessivo de tecnologias digitais

 

    Os vícios de internet, dependências de smartphones e o uso de álcool trazem desequilíbrio na vida do adolescente. As consequências desses hábitos levam a impulsividade que se torna um fator de risco para o relacionamento interpessoal e a aprendizagem. (Choi et al., 2015)

 

    Estar consciente sobre como os adolescentes utilizam a internet e como lidam com os jogos eletrônicos, é essencial para contribuir com o seu desenvolvimento psicoemocional, pois quanto antes detectar o uso excessivo ou inadequado permite influências preventivas. (Oliveira et al., 2017)

 

    As pesquisas mostram que uso de vídeo games violentes é um dos fatores que podem estimular a agressividade ou a violência. Além do mais, a predominância do uso noturno contribui para a diminuição de horas do sono e pode trazer diversas consequências como a sonolência diurna, reflexo no desempenho escolar e impacto para a saúde. Ademais, são citados perigos agregados à exposição excessiva, como conversar com desconhecidos, pedofilia, agressão (bullying, como vítima ou ator) e vírus. Conforme a pesquisa, cerca de um quarto relatou ter tido problema por uso inadequado de rede e aproximadamente metade considera que a Internet pode viciar. (Oliveira et al., 2017)

 

Conclusão

 

    A revisão integrativa foi um método eficiente para a compreensão da relação entre a temperança e o estilo de vida de jovens adolescentes, o que possibilitou a atualização da temática, além de identificar formas diferentes de abordagem em relação a esse público. A ciência traz a justificativa de que eles agem por impulso, sem pensar nas consequências de seus atos, ocorrendo a necessidade de satisfazer esse desejo em detrimento da sua saúde.

 

    Deve haver intervenções dentro de instituições para sensibilizar os adolescentes sobre os malefícios que decorrem do uso de substâncias alucinógenas e a utilidade sem limites da tecnologia. Entretanto, quando se trata da saúde do adolescente não se pode isolá-los. Existe todo um contexto no qual ele está inserido que deve ser analisado. Da mesma forma, devem ser levadas em consideração as influências as quais os adolescentes estão sujeitos, pois por meio delas irão resultar as mudanças de comportamento.

 

    Assim, as pesquisas encontradas na presente revisão a respeito da temperança relacionada ao estilo de vida do adolescente estão voltados para a prática de vícios em Internet, celulares e principalmente a dependência do álcool, que é um dos principais fatores causadores de desequilíbrio emocional e mental na vida dos adolescentes. Essa última afeta o relacionamento social e dificulta a tomada de decisão de forma clara e objetiva, pois o desenvolvimento neurocognitivo é drasticamente afetado.

 

    Na fase de adolescência, o jovem parece mais suscetível a praticar intemperança em vários aspectos, por isso é preciso investir em intervenções criativas e em acompanhamento no intuito de ajudá-los a se manterem temperantes em todas as atividades. Vale ressaltar que a temperança abrange outras práticas que não foram abordadas nos estudos analisados, como por exemplo quanto a uma alimentação equilibrada e outros excessos ou abstinência a tudo que for prejudicial à saúde.

 

Referências

 

Aquino, J. M., Teixeira, K. S., Silva, D. M. R., Xavier, R. F., Medeiros, S. E. G. & Falcão, V. T. F. L. (2019). Consumo de bebidas alcoólicas por estudantes de escolas públicas da cidade do Recife-PE. Revista Eletrônica de Saúde Mental Álcool Drogas. SMAD 15 (2):60-68. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/smad/v15n2/09.pdf

 

Biblioteca Virtual em Saúde (2019). http://decs.bvs.br/cgi-bin/wxis1660.exe/decsserver/

 

Bozza, A., Prestes, S. C. C., Coelho, T. R. F., Prestes, M. P., Bastos, J. R. de M., Soares, A. M. S. B., & Lopes, A. C. (2017). Prevalência de sintomas auditivos em adolescentes pelo uso excessivo do smartphone. In. São Paulo: Academia Brasileira de Audiologia.

 

Brasil. (2016). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa nacional de saúde do escolar 2015. Rio de Janeiro.

 

Choi, S. W., Kim, D. J., Choi, J. S., Ahn, H., Choi, E., Song, W. et al. (2015). Comparison of risk and protective factors associated with smartphone addiction and Internet addiction. Journal of Behavioral Addictions, 4 (4):308–314.

 

Duan, W. (2016). The benefits of personal strengths in mental health of stressed students: A longitudinal investigation. Quality of life research, 25 (11): 2879-2888.Epub 20 de maio.

 

Galvão, T. F., Pansani, T. S. A., & Harrad, D. (Trads.) (2015). Principais itens para relatar revisões sistemáticas e meta-análises: a recomendação PRISMA. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 24 (2): 335-42. Acesso em 01 ago 2019. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v24n2/v24n2a17.pdf

 

Guerin, C. S., Priotto, E. M. T. P., & Moura, F. C. (2018). Geração Z: a influência da tecnologia nos hábitos e características de adolescentes. Revista Valore, Volta Redonda. Edição especial: 726-734.

 

Livingston, M. (2014). Trends in non-drinking among Australian adolescents. Addiction Research Report. v. 109. n. 6, p. 922-929.

 

Malta, D. C., Mascarenhas, M.D.M., Porto, D.L., Barreto, S. M.,  & Morais Neto, O. L. (2014). Exposição ao álcool entre escolares e fatores associados. Revista de Saúde Pública, 48 (1):52-62.

 

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. C. P.,  & Galvão, C. M. (2008). Revisão Integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, 17 (4):758-64.

 

Michaelis (2019). Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. https://michaelis.uol.com.br/palavra/vkZdK/temperança/

 

Oliveira, M. P. M. T., Cintra, L. A. D., Bedoian, G., Nascimento, R., Ferré, R. R.,  & Silva, M. T. A. (2017). Uso de Internet e de Jogos Eletrônicos entre Adolescentes em Situação de Vulnerabilidade Social. Trends in Psychology/Temas em Psicologia, 25 (3):1167-1183.

 

Oliveira, L. M. F., Santos, A. R. M., Farah, B. Q., Ritti-Dias, R. M., Freitas, C. M. S. M.,  & Diniz, P. R. B. (2018). Influência do tabagismo parental no consumo de álcool e drogas ilícitas entre adolescentes. Einstein (São Paulo), 17 (1): eA04377. https://journal.einstein.br/pt-br/article/influencia-do-tabagismo-parental-no-consumo-de-alcool-e-drogas-ilicitas-entre-adolescentes/

 

Rosa, A., Loureiro, L.,  & Sequeira, C. (2018). Literacia em Saúde Mental sobre Abuso de Álcool: um estudo com adolescentes portugueses. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (Special): 31-38. http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpesm/nspe6/nspe6a05.pdf

 

Santos, S. S., Scaldaferri, M. M., & Almeida, O. S. (2018). O Uso de Substâncias Psicoativas: uma discussão sobre a atuação da escola na luta pela prevenção. Lecturas: Educación Física y Deportes, 23 (246). https://efdeportes.com/index.php/EFDeportes/article/view/340/448

 

Skala, K., & Walter, H. (2013). Adolescence and Alcohol: a review of the literature. Neuropsychiatry, 27:202–211.

 

Stetler, C. B., Morsi, D., Rucki, S., Broughton, S., Corrigan, B., & Fitzgerald, J. (1998). Utilization-focused integrative reviews in a nursing service. Applied Nursing Research, 11 (4):195-206.

 

Veiga Neto, A. R., Souza, S. L. B., Almeida, S. T., Castro, F. N.,  & Braga Junior, S. S. (2015). Fatores que influenciam os consumidores da geração Z na compra de produtos eletrônicos. Race, Unoesc, 14 (1):287-312.

 

Volkow, N. D., Swanson, J M., Eden Evins, A., Delisi, L. E., Meier, M. H., Gonzalez, R. et al. (2016). Efeitos do Uso da Cannabis no Comportamento Humano, Incluindo Cognição, Motivação e Psicose: uma Revisão da Literatura. JAMA Psychiatry, 73 (1):292-297. DOI:10.1001/jamapsychiatry.2015.3278


Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 24, Núm. 260, Ene. (2020)

Utilizamos cookies para ofrecer la mejor experiencia, navegando en esta web aceptas su uso. OK