efdeportes.com

A prática do futebol sete: uma visão sobre o histórico, 

evolução das regras e conhecimento das mesmas pelos 

praticantes do Clube União, de Santa Cruz do Sul, RS

La práctica del fútbol siete: una mirada sobre la historia, la evolución de las reglas 

y el conocimiento de las mismas por los jugadores del Clube Uniao, de Santa Cruz do Sul, RS

 

*Graduado em Educação Física – Licenciatura Plena pela Universidade de Santa Cruz

do Sul (UNISC) e pós-graduando em Gestão profissional do futebol

pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS

**Graduado em Educação Física – Licenciatura pela Universidade de Santa Cruz

do Sul (UNISC) e pós-graduando em Gestão profissional do futebol

pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS

***Graduada em Educação Física – Licenciatura pela Universidade de Santa Cruz

do Sul (UNISC) e pós-graduanda em Gestão profissional do futebol

pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS

****Docente do Departamento de Educação Física e Saúde

da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Santa Cruz do Sul, RS

Rodrigo dos Santos**

rodrigosa67@gmail.com

Marcos Moraes*

mmoraes@unisc.br

Daiana Beckemkamp***

daiabeckemkamp@yahoo.com.br

Oli Jurandir Limberger****

olimberger@yahoo.com.br

(Brasil)

 

 

 

 

Resumo

          Introdução: Charles Miller introduz o futebol no Brasil quando traz da Inglaterra materiais próprios do desporto. Sua prática difunde-se entre o profissional, participação e de lazer, desenvolvendo-se através de organizações esportivas em geral. Originário do futebol de campo e adaptado, o Futebol Sete tem a sua origem no Rio Grande do Sul, desde meados de 1960, embora sem uma regulamentação ou norma específica. Objetivo: identificar a origem do futebol sete, evolução das regras e o conhecimento das mesmas pelos praticantes do Clube União, de Santa Cruz do Sul / RS. Métodos: A amostra estudada foi composta por 28 praticantes do sexo masculino entre 18 e 35 anos de idade que disputam o campeonato de Futebol Sete pelo Clube União, de Santa Cruz do Sul / RS, durante o ano de 2013. Para a coleta de dados foi aplicado uma entrevista com 08 perguntas. Para a origem do desporto e evolução histórica de regras, foi realizada uma abordagem através da análise geral de dados de futebol sete. Resultados: Conforme o respectivo estudo os sujeitos apresentam pouco conhecimento em relação à origem e a evolução histórica da modalidade e das regras que normatizam o desporto Futebol Sete, pois, grande parte dos sujeitos tem conhecimento a partir da pratica Conclusão: diante do estudo conclui-se que os sujeitos apresentam um baixo nível de conhecimento das regras da respectiva modalidade, sabemos da importância do conhecimento das regras, pois estas são conjuntos que perpetuam as modalidades esportivas, facilitando a comunicação para sua prática.

          Unitermos: Futebol. Futebol Sete. Regras.

 

Abstract

          Introduction: Charles Miller introduces soccer in Brazil when he brings from England materials of such sport. His practice diffuses into professional, participation and leisure, developing through sports organizations in general. Originally from soccer field and adapted, seven-a-side football has its origin in Rio Grande do Sul, since mid-1960, although without a specific regulation or standard. Objective: To identify the source of seven-a-side football, evolution of its rules and knowledge of such rules from the practitioners of the Clube Uniao, Santa Cruz do Sul / RS. Methods: The studied sample was composed of 28 male practitioners between 18 and 35 years old that compete seven-a-side football championship by the Clube Uniao, Santa Cruz do Sul / RS, during the year 2013. For data collection it was applied an interview with 08 questions. For the origin of the sport and historical evolution of the rules, it was performed a general approach by analyzing data from seven-a-side football. Results: According to the corresponding study, subjects have little knowledge about the origin and historical evolution of the sport and its rules that regulate the seven-a-side football, since most of the subjects have knowledge from the practice. Conclusion: before the study it was concluded that the subjects present a low level of knowledge of the rules of the respective sport, we know the importance of knowledge of the rules, since these are sets that perpetuate sports modalities, facilitating communication for its practice.

          Keywords: Soccer. Seven-a-side soccer. Rules.

 

Recepção: 19/08/2014 - Aceitação: 29/10/2011.

 

 
EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 19, Nº 198, Noviembre de 2014. http://www.efdeportes.com/

1 / 1

Introdução

    Os jogos com bola, principalmente os praticados com os pés existem desde início do homem no planeta. Algumas teorias antropológicas aportam à prática de jogo com uma bola de granito na pré- história, quando era comum entre os primeiros homens a disputa como brincadeira, na qual chutavam frutas e crânios de humanos. Esta configuração de jogo pode ser analisada como o mais remoto antepassado do futebol em sua forma mais primitiva e indicam uma forte fascinação do homem desde o início dos tempos por objetos esféricos. Porém, o futebol atual teve seu nascimento na Inglaterra, por volta do século XVII1.

    Mas a sua origem no Brasil é a partir do trabalho de Charles Miller quando regressa da Inglaterra, em 1894, trazendo materiais próprios desse esporte: bolas, camisas, calções e chuteiras. Charles Miller introduz o futebol no Brasil, primeiramente no estado de São Paulo, entre os jovens da elite paulistana, onde negros e mulatos eram excluídos dessa “nobre prática esportiva”, sendo um privilégio dos componentes da elite nacional. O futebol surge como elemento da modernidade, tendo como focos de irradiação o meio industrial e aristocrático, vinculados aos hábitos de lazer da colônia europeia2. O Futebol é um dos fenômenos sociais e culturais mais importantes da atualidade, tanto em sua vertente de espetáculo de massa como prática livre e voluntária do cidadão, desenvolvendo-se através de entidades e organizações desportivas, de caráter público e comercial3.

    O futebol é o desporto mais praticado no mundo e o Brasil é o país que possui o maior número de praticantes desta modalidade. O fanatismo do brasileiro por futebol é tão grande, que as pessoas festejam, brigam, choram e, literalmente enlouquecem quando seus times ganham ou perdem jogos e campeonatos. Cada cidade no Brasil, por menor que seja, tem pelo menos dois times ou clubes de futebol. É na maioria das vezes nestes clubes pequenos que principia o sonho de milhares de atletas que sonham um dia conseguir a ascensão financeira e profissional. Mas, a busca deste sonho muitas vezes fica limitada a varias questões sociais, políticas e financeiras que o nosso país enfrenta. A oportunidade de um crescimento neste esporte carece de um local adequado para a pratica do futebol4.

    O elemento futebol leva a alucinação milhares de indivíduos, especialmente os brasileiros. Graças à capacidade de empolgar as mais amplas e variadas classes da sociedade, o futebol é o desporto e mais conhecido no mundo. Praticado em centenas de países, este esporte desperta tantas vezes interesse em função de sua configuração de disputa encantadora. Tornou-se tão conhecido graças a seu jeito simples de jogar, basta uma bola, equipes de jogadores, para que, em algum ambiente, crianças e adultos possam se divertir O futebol pode ser praticado de forma lúdica e sem regras rígidas, desta configuração não demanda os equipamentos e uniformes especiais5.

    O Futebol Sete surge a partir desta adaptação de espaço físico pois no início era disputado praticamente só nos clubes sociais, únicos locais onde existiam campos para a pratica do esporte, e basicamente na temporada de piscina (verão) dos clubes, visando aproveitar o tempo ocioso de seus associados, dai o porque de alguns acharem o esporte muito elitista, e o chamarem de futebol Social ou Society, denominação esta que não vingou no sul do Brasil, onde sempre foi chamado de Futebol Sete.

    O futebol sete tem a sua origem no Rio Grande do Sul, onde se tem noticias de que desde meados de 1960, o esporte já era praticado de forma sistemática, embora sem uma regulamentação ou norma específica. Em Porto Alegre, o esporte começou a ser praticado no Grêmio Náutico Gaúcho, em sua sede da Praia de Belas, que possuía um campo de areia, sendo também muito disputado nas regiões sul e da fronteira gaúcha, onde o esporte crescia com o decorrer dos anos, mas a medida que seus praticantes procuravam a melhoria técnica do espetáculo, surgiam as dificuldades de intercambio, pois a cada jogo realizado tinha de haver previamente acertos e combinações sobre a forma de disputa, tempo de jogo, cobrança de faltas, etc..., já que em cada região era jogado de forma diferente, e de acordo com os interesses dos praticantes.A primeira tentativa de regulamentar o futebol sete, e padronizar sua Regra foram feita na cidade de Sant'ana do Livramento-RS no ano de 1965, com a criação do 1º Campeonato Regional, envolvendo as equipes da cidade e algumas equipes da vizinha cidade de Riveira (Uruguai) com a primeira Regra Oficial que se tem noticia. Porém, foi no dia 14 de março de 1968, apresentou as Regras Oficiais elaboradas, que sofreram algumas reformas na redação inicial e foram aprovadas, determinando-se sua aplicação a partir daquela data, em todas as competições organizadas de futebol sete6.

    Diante disto o presente estudo tem como objetivo geral identificar a origem do futebol sete, evolução das regras e o conhecimento das mesmas pelos praticantes do Clube União, de Santa Cruz do Sul / RS.

Método de investigação

    A amostra foi composta por 28 praticantes do sexo masculino entre 18 e 35 anos de idade que disputam o campeonato de Futebol Sete pelo Clube União, de Santa Cruz do Sul / RS, durante o ano de 2013.

    Os sujeitos foram investigados a partir de uma pesquisa descritiva exploratória, a coleta de dados foi realizada através de questionário composto de questões relativas ao conhecimento de regras por parte dos praticantes da respectiva modalidade, entregue pessoalmente. Para a coleta de dados foi realizada uma entrevista com 09 perguntas. Para a origem do desporto e evolução histórica de regras, foi realizada uma abordagem através da análise geral de dados de futebol sete.

    A análise dos dados foi realizada no programa SPSS 20.0. A estatística descritiva (frequência e percentual) foi utilizada para comparar as análises categóricas.

Instrumento de coleta de dados

Resultados

    Na Tabela 1, o estudo apresentou uma variação na idade dos sujeitos, conforme os resultados, 04 (14,3%) tem até 20 anos de idade, 09 (32,1%) tem de 21 a 25 anos de idade, outros 09 (32,1%) tem de 26 a 30 anos de idade, e o restante representado por 06 (21,4%) tem mais de 30 anos de idade. No que diz respeito à função representada na equipe, jogadores aparecem com 22 (78,6%), com a função de capitão aparecem 02 (7,1%), comissão técnica 01 (3,6%) e treinador 03 (10,7%).

Tabela 1

    Quanto ao tempo de prática da respectiva modalidade expressa na (Tabela 2), o estudo revela que, 02 (7,1%) praticam a modalidade há um tempo aproximado de dois anos, 10 (35,75%) de três a cinco anos, e 16 (57,1%) tem como tempo referente a pratica do desporto superior a cinco anos. Quando perguntado aos sujeitos sobre o conhecimento de aspectos referentes à origem da modalidade do Futebol Sete os mesmos apontam que 22 (78,6%) dos entrevistados não tem conhecimento relativo à origem da modalidade de Futebol Sete, e 06 (21,4%) responderam que sim, pois tinham algum conhecimento referente à origem da respectiva modalidade.

Tabela 2

    Quando questionados sobre a origem das regras e sua evolução histórica (Tabela 3), 19 (67,9%) dos sujeitos responderam não ter nenhum conhecimento sobre o fato, 01 (3,6) disse tem conhecimento em partes e 08 (28,6%) responderam ter um conhecimento da origem das regras e suas principais mudanças significativas. Os dados apontam que 16 (57,1%) dos sujeitos nunca fizeram a leitura do livro de regras enquanto 06 (21,4%) dos sujeitos leram em partes o respectivo livro e outros 06 (21,4%) já realizaram a leitura do livro na integra.

Tabela 3

    Na (Tabela 4), quando perguntado aos os sujeitos sobre como tinham conhecimento das alterações das regras, 10 (35,7%) responderam não ter nenhum tipo de conhecimento, outros 10 (35,7%) responderam ter conhecimento a partir da prática, 06 (21,6%) fizeram a leitura do livro de regras 01 (3,6%) curso de arbitragem da FGF7 e (01) 3,6% respondeu outros como exemplo (Internet). Já quando perguntado aos sujeitos qual o fator relevante das alterações das regras do Futebol Sete, 08 (28,6%) não souberam ou não responderam, 09 (32,1%) citaram o Shoot Out, 04 (14,33%) responderam como principal alteração a regra referente ao cartão disciplinar e a extinção do cartão disciplinar de cor (azul), 03 (10,7%) fizeram referencia as substituições e 04 (14,33%) citaram a alteração no modo de executar o arremesso de canto.

Tabela 4

Discussão dos resultados

    Tendo em vista que os sujeitos da pesquisa são praticantes da modalidade de futebol sete de um Clube Social da cidade de Santa Cruz do Sul, este estudo tem como praticantes exclusivamente sujeitos do sexo masculino, sendo eles sócios da respectiva agremiação. Para Goellner (2005)8 a masculinização do futebol ocorre a décadas, tendo em vista a ligação com a feminilidade e a beleza da mulher.

    Conforme o respectivo estudo os sujeitos apresentam um baixo nível de conhecimento em relação à origem e a evolução histórica das regras que normatizam o desporto Futebol Sete, pois, grande parte dos sujeitos tem conhecimento a partir da pratica, porém os resultados apontaram que os alguns sujeitos buscam o conhecimento através da leitura do livro de regras da modalidade ou até curso de arbitragem.

    Levando-se em conta a dinâmica dos jogadores em campo e as regras que os prescrevem, para a normalização da competição, estas podem ser compreendidas também como um sistema de etiquetas, delineando um decoro esportivo muito significativo para pensar os processos de aceitação ou rejeição de determinadas condutas, obviamente portadoras de valores de classe, étnicos, nelas representadas como um estatuto normativo que incide sobre os grupos sociais Pois as regras aparecem como princípios simbólicos ordenadores das manifestações e experiências universalizadas9. Conforme (Toledo, 2002)10 as regras constituem os parâmetros da disputa e as formas coletivizadas do jogo, que ensinam as performances em campo constituídas nas dimensões mais próximas de comunicação para prática e vivência continuada de uma modalidade esportiva como o futebol, pois as regras são conjuntos que perpetuam as modalidades esportivas, facilitando a comunicação para sua prática.

    Conforme respondido pelos sujeitos os principais fatores que contribuem para estas constantes alterações de regras, são elementos que principalmente referem-se a um jogo com menor número de faltas, pois, as principais mudanças ocorridas são penalizações a equipes com excesso no número de faltas, esta sendo penalizada com um shoot out a partir da 5a falta coletiva. Outros elementos foram citados como a aplicação dos cartões disciplinares de cor (amarelo) e (vermelho) e a extinção do cartão disciplinar de cor azul.

Considerações finais

    Com a realização do estudo, foram confirmados um baixo nível de conhecimento dos praticantes em relação à origem do desporto e ao conhecimento das Regras de Futebol Sete.

    Recomenda-se a realização de novos estudos que identifiquem o conhecimento dos praticantes que atuam em clubes e ligas comunitárias, em relação ao conhecimento das regras da modalidade de Futebol Sete, e com isso se promovam as efetivas ações de melhorias do conhecimento dos praticantes, já que o presente estudo apresentou um universo limitado.

Referencias

  1. Frisselli A, Mantovani M. Futebol: teoria e prática 1. São Paulo: Phorte, 1999.

  2. Helal, R. O Que é Sociologia do Esporte. Brasiliense, São Paulo, 1990.

  3. Roche, FP. Gestão desportiva: planejamento estratégico nas organizações desportivas. Tradução de Pedro Fossati Fritsch. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

  4. Francke, PE. A iniciação esportiva e a especialização precoce no futebol: fatores de crescimento ou de exclusão? Buenos Aires: Lecturas educación física y deporte - Revista Digital. v. 14 n. 131, p.1 abr. 2009. http://www.efdeportes.com/efd131/a-iniciacao-esportiva-e-a-especializacao-precoce-no-futebol.htm

  5. Paim, MCC. Fatores motivacionais e desempenho no futebol. Revista da Educação Física da UEM, Maringá, v.12, n. 2, p. 73-79, 2001.

  6. FGF7.

  7. Gaya, A. Ciência do movimento humano: Introdução metodologia da pesquisa. Porto Alegre: Artmed. 2008.

  8. Goellner, SV. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 143-51, 2005.

  9. Toledo, LH. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 14, n. 30, p. 191-219, jul./dez. 2008.

  10. Toledo, LH. Lógicas no futebol. São Paulo, Hucitec: Fapesp. 2002.

  11. Viveiros de Castro, E. O conceito de “sociedade” em antropologia: um sobrevôo. In: Viveiros de Castro, E. A inconstância da alma selvagem – e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002. p. 297-3.

Outros artigos em Portugués

  www.efdeportes.com/
Búsqueda personalizada

EFDeportes.com, Revista Digital · Año 19 · N° 198 | Buenos Aires, Noviembre de 2014
© 1997-2014 Derechos reservados