Volver a los detalles del artículo Motivos para la adhesión a la práctica de ejercicios físicos


Motivos para adesão à prática de exercícios físicos

Reasons for adherence to physical exercise

Motivos para la adhesión a la práctica de ejercicios físicos

 

Dorival Laerte Perim Junior*

profdorival@outlook.com

Rodrigo Floret Turini Claro*

rodrigofloret@hotmail.com

Ademir Testa Junior**

ademirtj@gmail.com

Ídico Luiz Pellegrinotti***

idico.pellegrinotti@unimep.br

 

*Graduado em Educação Física, Faculdades Integradas de Jaú

**Doutor em Ciências do Movimento Humano, Mestre em Educação

Docente nas Faculdades Integradas de Jaú e na Faculdade Orígenes Lessa

***Doutor em Ciências Biológicas, Mestre em Biologia

Docente do programa de pós-graduação em Ciências

do Movimento Humano na Universidade Metodista de Piracicaba

(Brasil)

 

Recepção: 12/07/2018 - Aceitação: 17/03/2019

1ª Revisão: 26/11/2018 - 2ª Revisão: 14/03/2019

 

Este trabalho está sob uma licença Creative Commons

Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional (CC BY-NC-ND 4.0)

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt

 

Resumo

    O sedentarismo hoje é considerado a doença do século, pois através dele os indivíduos desenvolvem diversos problemas relacionados à saúde. A tecnologia e a facilidade na locomoção são alguns dos aspectos que levam o indivíduo ao sedentarismo. No entanto, é notável através de pesquisas uma maior conscientização da sociedade com o bem-estar e qualidade de vida, resultando num aumento da prática de exercícios físicos. Através de uma revisão bibliográfica o presente estudo tem como objetivo identificar e compreender os motivos de adesão das pessoas à prática de exercícios físicos. De acordo com estudos realizados, a preocupação com a estética tem maior relação com o gênero feminino do que o masculino. No gênero masculino a busca por exercício físico ainda se dá a melhoria da saúde e qualidade de vida. Com isso entende-se através deste estudo que o exercício físico pode atender os objetivos de qualquer público, seja ele interessado em estética ou em melhoria da qualidade de vida.

    Unitermos: Estética. Saúde. Exercício físico. Sedentarismo. Qualidade de vida.

 

Abstract

    The sedentarism today is considered the disease of the century, because through him the individuals develop diverse problems related to the health. The technology and the ease in the locomotion are some of the aspects that take the individual to the sedentarism. However, it is remarkable through researches a greater awareness of the society with the well-being and quality of life, resulting in an increase in the practice of physical exercises. Through a bibliographical review the present study aims to identify and understand the reasons that lead people to seek physical exercises. According to studies, the concern with aesthetics is more related to the female audience than the male. In the male audience the search for physical exercise still gives the improvement of health and quality of life. With this it is understood through this study that physical exercise can meet the goals of any public, be it interested in aesthetics or in improving their healthy and physical appearance.

    Keywords: Aesthetics. Health. Physical exercise. Sedentary lifestyle. Quality of life.

 

Resumen

    El sedentarismo hoy es considerado la enfermedad del siglo, pues a través de él los individuos desarrollan diversos problemas relacionados con la salud. La tecnología y la facilidad en la locomoción son algunos de los aspectos que llevan al individuo al sedentarismo. Sin embargo, es notable a través de investigaciones una mayor concientización de la sociedad con el bienestar y calidad de vida, resultando en un aumento de la práctica de ejercicios físicos. A través de una revisión bibliográfica el presente estudio tiene como objetivo identificar y comprender los motivos de adhesión de las personas a la práctica de ejercicios físicos. De acuerdo con estudios realizados, la preocupación con la estética tiene mayor relación con el género femenino que el masculino. En el género masculino la búsqueda por ejercicio físico todavía se da por la mejora de la salud y calidad de vida. Con ello se entiende a través de este estudio que el ejercicio físico puede atender los objetivos de cualquier público, sea éste interesado en la estética o en mejora de la calidad de vida.

    Palabras clave: Estética. Salud. Ejercicio físico. Estilo de vida sedentario. Calidad de vida.

 

Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 24, Núm. 251, Abr. (2019)


 

Introdução

 

    O sedentarismo é considerado a doença do século, por estar ligado a todos os confortos que a vida moderna proporciona como a industrialização de produtos. Caracterizado pela falta de atividades físicas pode causar e desenvolver doenças cardiovasculares, diabetes, saúde mental, hipertensão arterial entre outras doenças, tendo prevalência no público feminino, idoso, pessoas de baixa escolaridade e presente em jovens e público masculino (Pitanga e Lessa, 2010).

 

    O conceito de imagem corporal é ainda algo complexo, da qual se estende para o psicológico gerando conflitos de emoções entre o que é real e o que é perceptível (Ayensa, Grima e Landívar, 2002). Seguindo esse pensamento os tipos de corpos a serem alcançados, são o estético ou saudável (Andrade, 2003).

 

    Após o aumento no surgimento de academias, se inicia também as comparações em relação ao exercício físico e a saúde. A academia em si, é um local onde o aluno pode fazer uso de processos de avaliações físicas, prescrição e orientação de exercícios físicos, supervisionado por um profissional formado e devidamente credenciado pelo Conselho Nacional de Educação Física (Rosário e Liberali, 2008).

 

    A prática regular de exercício físico serve como ferramenta para gerar benefícios físicos e psicossociais, tais como: melhora do sistema cardiorrespiratório, diminuição de gordura, aumento de força, melhora em aspectos como ansiedade, depressão, humor e autoestima (Zaitune et al., 2007).

 

    Assim, a preocupação excessiva com a aparência pode levar algumas pessoas à prática de exercícios físicos inadequados. Saber os motivos que favorecem a prática de exercícios físicos em mulheres pode fortalecer as ações de estimulo à adoção do estilo de vida fisicamente ativo por parte das mesmas.

 

    O objetivo do presente estudo foi identificar e compreender os motivos de adesão das pessoas à prática de exercícios físicos.

 

Metodologia

 

    A revisão da literatura têm como objetivo apresentar e analisar os estudos sobre o tema. Baseia-se no estudo e síntese das informações com o intuito de encontrar o caminho adequado para abordar um problema, assunto e gerar novas ideias com utilidade (Boaventura, 2001).

 

    Pesquisar não implica somente em levantar dados ou situações, e sim em encontrar respostas que possam resolver os problemas propostos (Lakatos e Marconi, 2003). O mesmo autor ainda afirma que a documentação indireta é feita com a procura de dados coletados por terceiros podendo assim ser dividida em pesquisa documental ou bibliográfica, que é o caso desta.

 

    Nesse modelo de estudo são reunidos à discussão de informações envolvidas na área, podendo ser componentes de artigos, trabalhos completos ou relacionados às publicações que apresentam o desenvolvimento de determinado tema (Moreira, 2004).

 

    Para essa revisão bibliográfica foram analisados artigos científicos que visam estudar e entender os objetivos da adesão de pessoas com exercícios físicos, utilizando as plataformas de pesquisa, Google acadêmico, revistas cientificas e livros. Os termos utilizados para a busca dos textos foram: objetivo das pessoas em academias, pratica de exercício físico, adesão ao exercício físico. Os artigos foram coletados de janeiro a maio de 2017.

 

Resultados

 

    O estresse e o extremo cansaço da vida moderna ligado a uma má alimentação levam os indivíduos a ter uma vida menos saudável. Esses fatores prejudicam a qualidade de vida em todos os aspectos, sendo essas pessoas as que mais necessitam de exercícios físicos para alterar esses dados negativos (Tahara et al., 2003).

 

    Exercício físico é toda atividade física planejada, que tem por finalidade a melhoria ou conservação de componentes da saúde e aptidão física (Caspersen et al., 1985 apud Rodrigues, 2017).

 

    As pessoas, ao aderirem a um programa de exercício físico planejado e supervisionado, na maioria das vezes não têm a clareza dos benefícios que esse estilo de vida proporcionará a sua saúde, colocando o desejo de melhorias estéticas a frente das benfeitorias intrínsecas. Porém, mesmo com o desconhecimento esses indivíduos acabam conquistando benefícios à saúde quando elaborados e executados de forma adequada (Rosário e Liberali, 2008).

 

    Sobre os benefícios fisiológicos podemos citar múltiplos acréscimos à saúde, pois a prática do exercício físico regular torna-se fundamental para uma vida mais saudável. A prática do exercício físico regular se torna parte fundamental da vida de uma pessoa, de forma que acrescenta e proporciona efeitos benéficos a níveis antropométricos, neuromuscular, metabólico e psicológico, além de prevenir e evitar tratamentos para patologias crônicas como hipertensão arterial, enfermidade coronariana, osteoporose, artrite, problemas respiratórios entre outras, melhorando significativamente a vida do indivíduo e oferecendo mais anos de vida a todos seus adeptos (Matsudo e Matsudo, 1992).

 

    A falta de informação sobre os benefícios é um dos maiores motivos do abandono da prática de atividades feitas em academias, pelo fato dos sujeitos não alcançarem a aparência desejada em tão pouco tempo, porém não se atentam aos benefícios fisiológicos que o exercício estará lhe proporcionando, ou seja, se preocupam muito mais com a “aparência” do que sua saúde (Nieman, 1999 apud Rosário e Liberali, 2008).

 

    A preocupação com a estética se faz presente mais em mulheres do que em homens as mulheres buscam tanto o corpo idealizado pela sociedade quanto os homens, quando comparados, as mulheres são mais influenciadas para se tornarem cada vez mais magras e os homens buscam um corpo mais tonificado e musculoso (Cardoso, 2011).

 

    No século XX a ênfase dada ao corpo fez com que inúmeras formas de intervenções de melhorias da aparência, do desempenho, da beleza, da saúde e do bem-estar se proliferasse, onde ter uma aparência jovem, saudável, forte, ágil, resistente e belo são valores incorporados na contemporaneidade e a motivos de investimentos pessoais (Vieira e Souza, 2009).

 

    Hoje vivemos em uma cultura onde o corpo se tornou produto de consumo, existe uma tendência moderna a estarmos mais atentos a aparência do que a própria saúde (Vieira e Souza, 2009). Dessa forma a estética ganha significância na vida das pessoas tanto de forma física como no psicológico de cada envolvido.

 

    O corpo como produto de consumo sofre grande influência dos veículos midiáticos que estão a todo tempo preocupados em produzir novos desejos a seus consumidores a um elevado custo, enquanto de outro, os consumidores insatisfeitos consigo mesmo se tornam presas fáceis e vulneráveis aos produtos prontos propagados com promessas de resultados rápidos e ágeis, alimentando assim generosamente a indústria capitalista (Andrade, 2003).

 

    A busca por saúde e boa forma mostrada pela mídia acaba organizando a vida social do indivíduo. Sendo um consumo não relacionado apenas com as necessidades básicas das pessoas, mas sim com o consumo manipulado de status e desejos de poder, ter, adquirir e fazer. De acordo com o autor esse desejo é muito mais volátil e passageiro, evasivo e caprichoso, não tendo justificativa ou causa. Assim, esse desejo nunca é saciado (Andrade, 2003).

 

    O abandono precoce das academias pode ocorrer pela falta de conhecimento de que a prática de atividade física é de suma importância para a saúde. Assim, as pessoas que buscam exercícios físicos por estética (influenciadas pelas mídias e imposição da sociedade) não ficam por muito tempo dentro de um programa de atividade ou aptidão física, pelo simples fato de não verem os resultados extrínsecos esperados e não saberem sobre os resultados intrínsecos (Rosário e Liberali, 2008).

 

    A imagem corporal ideal é algo complexo, que envolve aspectos subjetivos e sociais de difícil representação objetiva. Condizendo que cada indivíduo possui uma imagem corporal de si mesmo e dos outros, que é relacionada a seu ambiente cultural (Lima et al., 2008).

 

    A imagem corporal pode ser separada em quatro dimensões: comportamental, cognitiva, afetiva e perceptiva, onde a perceptiva está sendo utilizada na área da saúde na tentativa de identificar e avaliar como o indivíduo relaciona a forma ou tamanho de seu corpo (Cash e Prusinsky, 2002 apud Lima, 2008).

 

    A adesão de exercícios físicos em pessoas de ambos os gêneros sendo, ocorre em 77% mulheres e 23% homens, com idades entre 40 e 60 anos. O motivo predominante apresentado pelos entrevistados é o Lazer/qualidade de vida seguido por orientação e/ou prescrição médica e por último relatam a estética. Os entrevistados relataram variados tipos de exercícios físicos como musculação, caminhada, treino aeróbio, alongamento entre outros (Santos e Knijnik, 2006).

 

    Em estudo com 80 avaliados com idades entre 18 e 44 anos sendo 45 mulheres e 35 homens. O principal motivo para adesão as academias foi a proximidade de casa, seguido de saúde e qualidade de vida e prazer pelo exercício físico (Rojas, 2003).

 

    Um estudo buscou compreender os indivíduos com uma idade entre 31 e 66 anos, a introduzir em sua vida um estilo mais saudável através da realização regular de atividade física. A amostra foi de 110 indivíduos, sendo 48 mulheres e 62 homens, todos alunos do Curso Comunitário para Adultos. O curso possui dois grupos distintos, o CEFA (Curso de Educação Física para Adultos) e CAFA (Curso de atividade Física para Adultos), o que é possível observar na tabela 1 (Nunomura, 1998).

 

Tabela 1. Diferença entre os grupos CEFA e CAFA

 

CEFA

CAFA

Objetivo

Tornar o indivíduo consciente, autônomo e motivado para a prática regular de Atividade Física

Manutenção do Condicionamento Físico

Tempo de Permanencia

02 anos

Ilimitado

Característica do Grupo

Misto

Divisão entre homens e mulheres

Tempo de Atividade

90 minutos

75 minutos

Conteúdo

Teoria e Prática

Prática

Total de Indivíduos (H/M)

59 (H=28/M=31)

51 (H=34/M=17)

Fonte: Nunomura (1998)

 

    Nas próximas tabelas da amostra são apresentados os motivos do grupo CEFA e CAFA em geral, seguidos aos resultados quanto ao geral cada grupo e quanto ao gênero de cada grupo de (Nunomura, 1998).

 

Tabela 2. Motivos apresentados pelo grupo em geral (CEFA e CAFA)

Motivos

% de ocorrência

Grupo

43,64%

Condicionamento Físico

38,18%

Saúde

33,64%

Manter a forma física/estética

29.09%

Bem-estar mental, psicológico e relaxamento

21,82%

Necessidade de movimento

16,36%

Bem-estar físico

10%

Momento de lazer e social

10%

Fonte: Nunomura (1998)

 

Tabela 3. Motivos apresentados pelo grupo CEFA

Motivos

% de ocorrência

Saúde

35,5%

Grupo

33.9%

Manter a forma física/estética

33,9%

Condicionamento Físico

32,2%

Necessidade de movimento

20,34%

Bem-estar mental, psicológico e relaxamento

16,95%

Momento de lazer e social

10,17%

Fonte: Nunomura (1998)

 

Tabela 4. Motivos apresentados pelo grupo CAFA

Motivos

% de ocorrência

Grupo

54,9%

Condicionamento Físico

45.09%

Saúde

31,37%

Bem-estar mental, psicológico e relaxamento

27,45%

Manter a forma física/estética

23,53%

Bem-estar físico

15,69%

Gostar de praticar esportes

11,76%

Necessidade de movimento

11,76%

Momento de lazer e social

10%

Fonte: Nunomura (1998)

 

    Observou-se através das tabelas 2 e 4 que, de forma geral (CEFA + CAFA), o principal motivo para a prática adoção da prática de exercícios físicos, foi o grupo, seguido por condicionamento físico e saúde. Já na tabela 3 a sequência é Saúde, Grupo e manter a forma física. Para os indivíduos do grupo CEFA, o principal motivo foi a saúde, seguido pelo grupo, manter a forma física/estética e condicionamento físico, com pouca diferença entre os grupos. Já no grupo CAFA, o principal motivo foi o grupo, com mais da metade dos indivíduos, seguido por condicionamento físico e saúde, com diferenças notáveis.

 

    O estudo concluiu que no grupo CEFA, as variáveis tiveram alguma relação com o motivo de adesão, onde no grupo CAFA, houve pouca ou nenhuma relação com a adesão, vendo que o principal motivo foi o grupo (Nunomura, 1998).

 

    Em contrapartida dos artigos já citados, outros dados que mostram a estética como principal motivo de adesão as academias, considerando que os avaliados tinham idades entre 18 e 36 anos (Araújo et al., 2007).

 

    Foi realizado outro estudo com 44 mulheres, onde se aplicou um questionário estruturado, todas praticantes de diversas modalidades e tendo idade entre 18 e 50 anos (Tavares e Planche, 2016).

 

    A escolha sobre a modalidade de exercício físico é diversificada, porém a musculação ainda se encontra como a principal escolha entre as praticantes. Na coleta de dados obtiveram alguns resultados importantes para o estudo, demonstrando na tabela 5, os motivos da prática de exercício físico (Tavares e Planche, 2016).

 

Tabela 5. Principal motivo para a prática de exercícios físicos

Motivos

% de ocorrência

Estética

45,5%

Qualidade de vida e saúde

36,3%

Aptidão Física

13,6%

Lazer ou socialização

2,3%

Indicação Médica

2,3%

Fonte: Tavares e Planche (2016)

 

    Como se observa na tabela 6, através de revisão bibliográfica e comparação a outros artigos e estudos, apresenta que os principais motivos encontrados para aderência de exercícios físicos são: “busca pela saúde, aparência idealizada, socialização, melhoria de condição física, bem-estar e prazer proporcionado pela prática” (Liz et al., 2010).

 

Tabela 6. Estudos sobre motivos da aderência à prática de exercícios físicos em academias de ginástica identificados nos estudos

Fonte: Liz et al. (2010).

 

Conclusão

 

    Após analisar os resultados de pesquisas e artigos referentes ao tema escolhido, concluiu-se que a procura por exercício físico ainda está relacionada a estética nos indivíduos com idades menores que 35 anos. Já nos indivíduos com idade superior a 35 anos de idade, o motivo da busca na maioria das vezes é a melhora da saúde. O condicionamento físico, a busca por qualidade de vida e melhoria na saúde, localização e socialização em grupo são predominantes em algumas pesquisas. Com o advento da vida moderna, ocorreu um aumento da oferta de alimentos hipercalóricos, levando ao aumento da obesidade e do sedentarismo com a consequente degradação da saúde do indivíduo. A busca do exercício físico aliado a uma correta alimentação vem na contramão desse movimento de sedentarismo.

 

    A estratégia para a formação de uma sociedade mais ativa é a promoção da conscientização dos indivíduos para a importância da prática regular de exercícios físicos e o quanto estes irão impactar positivamente sua saúde. Dessa maneira, buscando uma vida mais ativa através dos exercícios físicos, para obter uma melhoria da sua saúde e, após isso obter uma melhoria na estética como consequência indireta.

 

Referências

 

    Andrade, S. S. (2003). Saúde e beleza do corpo feminino – algumas representações no Brasil do Século XX. Movimento. Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 119-143.

 

    Araújo, A. S., Pimenta, F. H. R., Baraúna, M. A., Novo, M. J., Silva, A. L. S., Pinto, M. V. et al. (2007). Fatores Motivacionais que Levam as Pessoas a Procurarem por Academias para a Prática de Exercício Físico. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires, Nº 115. https://www.efdeportes.com/efd115/fatores-motivacionais-que-levam-as-pessoas-a-procurarem-por-academias.htm

 

    Ayensa, J. I. B.; Grima, F. G.; Landívar, E. G. (2002). Insatisfacción corporal en adolescentes medida con el Body Shape Questionnaire (BSQ): efecto del anonimato, el sexo y la edad. International Journal of Clinical and Health Psychology2(3).

 

    Boaventura, E. M. (2001). Metodologia da Pesquisa. São Paulo/Brasil. Atlas, p. [149]-159.

 

    Cardoso, F. L.; Zequinão, M. de A.; Felizola, F. L. V.; Ceola, E. P. A.; Matos, P. H. (2011). Percepção e satisfação corporal em relação ao exercício físico. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. v. 16, n. 2.

 

    Lakatos, E. M., Marconi, M. A. (2003) Fundamentos de Metodologia científica. (4ª ed.). São Paulo: Atlas.

 

    Lima, F. L., Zamai, C. A., Bankoff, A. D. P. (2008). Correlação das Variáveis: índice de massa corporal (IMC) e percentual de gordura em uma população praticante regular de atividade física. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires. Año 15, n. 144. https://www.efdeportes.com/efd144/indice-de-massa-corporal-e-percentual-de-gordura-corporal.htm

 

    Liz, C. M.; Crocetta, T. B.; Viana, M. S.; Brandt, R.; Andrade, A. (2010). Aderência à Prática de Exercícios Físicos em Academias de Ginástica. Motriz, Rio Claro, v.16 n.1 p.181-188.

 

    Matsudo, S. M.; Matsudo, V. K. R. (1992). Prescrição e Benefícios da Atividade Física. Revista Brasileira de Ciência & Movimento. V.6, n.4, p. 19-30.

 

    Moreira, V. (2004). O método fenomenológico de Merleau Ponty como ferramenta crítica na pesquisa em psicopatologia. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17 (3), 447-456.

 

    Nunomura, M. (1998). Motivos de Adesão à Atividade Física em Função das Variáveis Idade, Sexo, Grau de Instrução e Tempo de Permanência. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. v. 3, n. 3, pag. 45-58.

 

    Pitanga, F. J. G.; Lessa, I. (2010). Associação entre atividade física no tempo livre e pressão arterial em adultos. Arq Bras Cardiol, v. 95, n. 4, p. 480-5.

 

    Rodrigues, D. (2017). A Educação Física perante a Educação Inclusiva: reflexões conceptuais e metodológicas. Boletim Sociedade Portuguesa de Educação Física, (24-25), 73-81.

 

    Rojas, P. N. C., Nahas, M. V. (2003). Aderência aos programas de exercícios físicos em academias de ginástica na cidade de Curitiba-PR. Dissertação de mestrado em Educação Física. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

 

    Rosário, F. R.; Liberali, R. (2008). Perfil de Saúde e Antropométrico dos Indivíduos Iniciantes na Prática da Musculação. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo: v. 2, n. 7, p. 64-78.

 

    Santos, S. C.; Knijnik, J. D. (2006). Motivos de Adesão à Prática de Atividade Física na Vida Adulta Intermediaria I. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte5(1):23-34.

 

    Tahara, A. K.; Schwartz, G. M.; Silva, K. A. (2003). Aderência e Manutenção da Prática de Exercícios em Academias. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Brasília v.11, n. 4, p. 7-12.

 

    Tavares, A. C.; Planche, T. C. (2016). Motivos de desistência da prática de exercícios físicos em academia: estudo de caso com mulheres de Pirassununga-SP. Saúde em Revista. Piracicaba, v. 16, n. 43, p. 63-70.

 

    Vieira, A.; Souza, J. L. (2009). Boa Postura: Uma Preocupação com a Estética, a Moral ou a Saúde? Revista Movimento. Porto Alegre: v. 15, n. 01, p. 145-165.

 

    Zaitune, M. P. do A.; Barros, M. B. de A.; César, C. L. G.; Carandina, L.; Goldgaum, M. (2007). Fatores associados ao sedentarismo no lazer em idosos, Campinas, São Paulo, Brasil. Caderno Saúde Pública. vol.23, n.6, pp.1329-1338.


Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 24, Núm. 251, Abr. (2019)

Utilizamos cookies para ofrecer la mejor experiencia, navegando en esta web aceptas su uso. OK