Volver a los detalles del artículo Motivación para la práctica de actividad física en personas mayores del municipio de Canindé, Ceará

Motivação para a prática de atividade física em idosos do município de Canindé, Ceará

Motivation for the practice of physical activity in elderly people of the municipality of Caninde, Ceara

Motivación para la práctica de actividad física en personas mayores del municipio de Canindé, Ceará

 

Francisca Lilian Bernado da Silva*

lilianbernardo11@hotmail.com

Kelly Abreu dos Santos*

kelly.bowd@outlook.com

Jayane Mara Rosendo Lopes*

jayanemara1@gmail.com

Leandro Araujo de Sousa**

leandro.sousa@ifce.edu.br

 

*Licenciatura em Educação Física pelo Instituto Federal

de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE)

**Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC)

Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE)

(Brasil)

 

Recepção: 26/11/2018 - Aceitação: 18/08/2019

1ª Revisão: 25/07/2019 - 2ª Revisão: 12/08/2019

 

Este trabalho está sob uma licença Creative Commons

Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional (CC BY-NC-ND 4.0)

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt

 

Resumo

    Sabe-se que nos dias atuais a procura pela prática de atividade física durante o processo de envelhecimento tem aumentado e isto tem decorrência por fatores sociais, fisiológicos ou psicológicos. Essa grande busca não deve acontecer somente na terceira idade, mas sim a partir da procura de melhorias na vida de qualquer pessoa, em qualquer etapa, que busque seu bem-estar próprio. O objetivo deste estudo é analisar os motivos para a prática de atividade física de idosos do município de Canindé, Ceará. A pesquisa é de natureza quantitativa e possui uma abordagem exploratória, em que foi aplicado um inventário de motivação para a prática de atividade física (IMPRAF) com o intuito de avaliar qual a motivação dos idosos para participar de grupos de atividades físicas. Os resultados indicam que as dimensões que mais marcaram como motivo que levam os idosos a praticarem atividades físicas foram: saúde, socialização e prazer. Esses três fatores, influenciam diretamente na qualidade de vida dessas pessoas. Assim, o estudo mostra que esta prática se torna importante não apenas como manutenção da saúde destes idosos, mas como também uma positiva colaboração psicossocial.

    Unitermos: Incentivo. Exercício. Envelhecimento.

 

Abstract

    It is known that in the present day the search for the practice of physical activity during the aging process has increased and this is due to social, physiological or psychological factors. This great quest should not only happen in the third age, but rather from the search for improvements in the life of any person, at any stage, that seeks their own well-being. The objective of this study is to analyze the reasons for the physical activity practice of the elderly in the municipality of Caninde, Ceara. The research is quantitative in nature and has an exploratory approach, in which a motivational inventory for the practice of physical activity (IMPRAF) was applied in order to evaluate the motivation of the elderly to participate in groups of physical activities. The results indicate that the dimensions that most marked as motivation that lead the elderly to practice physical activities were: health, socialization and pleasure. These three factors directly influence the quality of their lives. Thus, the study shows that this practice becomes important not only as maintenance of the health of these elderly, but also as a positive psychosocial collaboration.

    Keywords: Incentive. Exercise. Aging.

 

Resumen

    Se sabe que en la actualidad la demanda por la práctica de actividad física durante el proceso de envejecimiento ha aumentado y esto tiene consecuencia en cuanto a factores sociales, fisiológicos o psicológicos. Esta demanda no debe ocurrir solamente en la tercera edad, sino a partir de la búsqueda de mejoras en la vida de cualquier persona, en cualquier etapa, que se oriente a su propio bienestar. El objetivo de este estudio es analizar los motivos para la práctica de actividad física de personas mayores del municipio de Canindé, Ceará. La investigación es de naturaleza cuantitativa y posee un enfoque exploratorio, en el que se aplicó un inventario de motivación para la práctica de actividad física (IMPRAF) con el fin de evaluar cuál es la motivación de las personas mayores para participar en grupos que realizan actividades físicas. Los resultados indican que las dimensiones que más marcaron como motivo que llevan a estas personas a practicar actividades físicas fueron: salud, socialización y placer. Estos tres factores influyen directamente en la calidad de vida de esas personas. Así, el estudio muestra que esta práctica se vuelve importante no sólo como mantenimiento de la salud de estas personas mayores, sino también una positiva colaboración psicosocial.

    Palabra clave: Incentivo. Ejercicio. Envejecimiento.

 

Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 24, Núm. 256, Sep. (2019)


 

Introdução

 

    A expectativa de vida no mundo aumentou, bem como no Brasil. Desse modo, a perspectiva de vida de um idoso é bem maior se comparado há anos e isso pode ser justificado pela melhoria da qualidade de vida e saúde, onde os que praticam atividades físicas apresentam mais disposição para tarefas diárias devido ao aumento da sua aptidão física (Ruwer, Rossi & Simon, 2005). Assim, atualmente é comum ver idosos praticando atividades físicas em pátios, caminhando em ruas e até mesmo treinando em academias, todos na busca de uma vida melhor, por uma saúde de qualidade e até mesmo por sentirem prazer em realizar atividades físicas.

 

    Quando se refere a prática de atividade física, os idosos podem ser influenciados pela família para realizar atividades físicas, e consequentemente eles buscam se inserir em meios mais sociáveis; e os idosos que não tem essa influência que não se importam em sair de casa e de realizar exercícios, com isso, os mesmos tornam-se mais propensos ao sedentarismo e vulneráveis as doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) que causam a diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares, doenças respiratórias crônicas e cânceres (Papalia & Olds, 2009). Estes idosos que não tem apoio da família tornam-se indivíduos com baixa autoestima e sem vontade de viver, desta forma, necessitam então da prática de atividade física para ajudá-los em todos esses fatores. (Papalia & Olds, 2009)

 

    Tanto no Brasil como em outros países, estudos com a população idosa mostram grande prevalência de pessoas que são consideradas sedentárias ou estão inativas (Harvey, Chastin & Skelton, 2013; Cavalli et al., 2014; Ribeiro et al., 2016). Assim nota-se que a população idosa precisa se motivar quanto à prática de exercícios físicos, considerando os benefícios destas atividades para manutenção da boa saúde. Esta motivação deve partir tanto do próprio idoso, como de pessoas da família e de órgãos públicos como Secretarias da Saúde onde se sabe que práticas de atividades físicas vão influenciar na boa saúde. Com base nisso, as Secretarias deveriam preocupar-se mais com incentivos a essa motivação para que houvesse uma diminuição de gastos com doenças que têm afetado os idosos nos dias atuais.

 

    Pesquisas mostram o que tem motivado os idosos a buscarem práticas de atividades físicas em grupos. Estudos realizados com grupos na cidade de Pelotas (RS) mostram que a motivação vem da busca pela melhoria da saúde (Cavalli et al., 2014). Em Paratíns (AM) a melhoria da saúde também foi um dos principais motivos para a prática da atividade física (Carvalho et al., 2016). Em Palmitos (SC) reconheceu-se igualmente uma percepção na busca para a melhoria da saúde (Nascimento et al., 2010). Desta forma os estudos indicam que a busca pela melhoria na qualidade de vida e saúde foi o principal motivo de influência na motivação da prática de atividades físicas.

 

    No município de Canindé (CE), há grupos que realizam atividades físicas com idosos em encontros semanais, alguns com muitos anos de trabalho tornando-se um grande apoio para os mesmos, porém ainda com um déficit no sentido de pesquisas que identifiquem os motivos desses anciões a participarem de grupos de atividades físicas.

 

    Os idosos que estão incluídos em grupos de atividades físicas passam a ter uma maior socialização por estarem rodeados de pessoas juntos a eles praticando as mesmas atividades. Assim, na troca de sorrisos e de diálogos com os colegas, sentem-se mais seguros consigo mesmos trabalhando desta forma a sua própria autoestima e esquecendo dos problemas que carregam consigo, criando então um prazer de viver que contribui para uma maior longevidade. Isso mostra que a inclusão desses idosos em grupos de atividades físicas ou até mesmo a motivação da família a essas práticas tem uma importância fundamental para essa etapa da vida.

 

    Sabe-se que a motivação é um fator determinante no engajamento e aderência das pessoas à prática regular de atividade física (Barbosa, 2006). Portanto, identificar os motivos que levam a permanência desses idosos facilita profissionais e professores a saberem o que devem trabalhar com maior ênfase nesses grupos. A partir disso, tem-se a seguinte problemática: Quais os motivos que levam os idosos do município de Canindé (CE) a praticarem atividades físicas? Nesta perspectiva, o objetivo deste estudo foi analisar os motivos para a prática de atividade física de idosos do município de Canindé, Ceará.

 

Métodos

 

    A pesquisa foi do tipo descritiva e exploratória. Fizeram parte deste estudo 43 idosos, sendo quarenta e dois (42) do sexo feminino e um (1) do sexo masculino na faixa etária igual ou acima de 60 anos de idade, praticantes de atividade física regular do município de Canindé (CE). Todos os participantes são residentes urbanos. Quanto ao estado civil constatou-se que a maior parte do percentual de casados (20,47%), seguido de viúvos (18,42%), tendo também os solteiros (3,7%) e divorciados (2,5%).

 

    Utilizamos nesse estudo um questionário de caracterização socioeconômica e um inventário de motivação à prática regular de atividade física (IMPRAF-126) validado por Balbinotti & Barbosa (2006). O IMPRAF-126 é composto por 54 itens e com 6 temas: controle de estresse, saúde, sociabilidade, competitividade, estética e prazer e cada uma destas com alternativas em escala do tipo Likert de cinco pontos. Onde 1: Isto me motiva pouquíssimo, 2: Isto me motiva pouco, 3: Mais ou menos- não sei dizer- tenho dúvida, 4: Isto me motiva muito, 5: Isto me motiva muitíssimo.

 

    No levantamento de dados, os sujeitos foram submetidos a um questionário validado, para mensurar o construto objeto deste estudo, a motivação para a prática de atividade física com intuito de identificar o que leva aos idosos a terem uma vida ativa fisicamente.

 

    A pesquisa foi realizada em grupos que praticam atividade física regularmente em Canindé (CE), a saber, quadro grupos: amigos da saúde; caminhando com saúde, projeto saúde bombeiros e sociedade e o vem dançar. No quadro abaixo podemos conhecer um pouco da caracterização desses grupos:

 

Quadro 1. Caracterização dos grupos participantes da pesquisa

Grupo / Local

Objetivos

Quantidade de idosos

Amigos da Saúde / Polo de Artes.

Melhorar a autoestima, coordenação e as funções das AVDs (atividade de vida diária).

60

Caminhando com Saúde / Praça Dr. Aramis.

Melhorar a autoestima, coordenação e as funções das AVDs (atividade de vida diária).

20

Projeto Saúde, Bombeiro e Sociedade / Centro Social Urbano - CSU e Praça do CSU.

Socialização, atividade de baixo impacto, caminhada, atividades lúdicas e alongamentos.

Aproximadamente 100 idosos, inscritos, frequentam, em média, de 40 a 50 por dia.

Vem dançar / Polo de Artes de Canindé

Promove o movimento do corpo e o bem estar de suas alunas, abordando diferentes ritmos.

520 mulheres inscritas e 480 que frequentam.

Fonte: Da pesquisa

 

    Inicialmente os pesquisadores se identificaram e explicaram a finalidade da abordagem realizada, objetivos e importância. Com a aceitação do estudo os sujeitos foram convidados a assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido - TCLE. Posteriormente foi entregue o questionário de caracterização socioeconômica e o inventário de motivação à prática regular de atividade física (IMPRAF-126), sendo assegurado ao participante a possibilidade de esclarecer quaisquer dúvidas no preenchimento dos mesmos e caso o julgue necessário e a pedido, o pesquisador estava disponível para ajudar no preenchimento dos instrumentos para os participantes.

 

    A análise foi realizada mediante a utilização de estatística descritiva como medidas de frequência, média, desvio padrão e coeficiente de variação. Para o tratamento dos dados foi utilizado o software SPSS 20.0.

 

Resultados

 

    Com a finalidade de responder a problemática deste estudo e atender aos objetivos traçados, procedeu-se a exploração dos escores obtidos através do IMPRAF-126. Ao analisar os 54 itens, buscamos demonstrar a confiabilidade dos valores das médias calculadas, desvio padrão (DP) e coeficientes de variação (CV), pois caso sofra efeitos negativos advindos de casos extremos poderia comprometer as representativas de comportamentos inventariados fazendo com que reduza o valor dos remates. (Balbinotti & Barbosa, 2006)

 

    A tabela abaixo apresenta a média, desvio padrão e coeficiente de variação entre as seis dimensões.

 

Tabela 1. Análise descritiva das dimensões motivacionais generalizada

Dimensão

M

DP

CV

Controle de estresse

36,98

3,76

10,16%

Saúde

38,07

3,25

8,53%

Sociabilidade

38,56

8,53

22,12%

Competitividade

28,44

8,43

29,81%

Estética

34,44

6,54

18,98%

Prazer

37,56

3,33

8,86%

Fonte: Dados da pesquisa

 

    Podemos observar na acima, que a dimensão sociabilidade é a que mais motiva os idosos apresentando uma média de 38,56, seguida pela dimensão Saúde com 38,07% e de Prazer com 37,56%. A dimensão que menos motiva os indivíduos é a Competitividade que apresenta 28,44% dos idosos, o que é compreensível, pois segundo Lazzoli et al. (2001 p.83), o “aumento da participação em atividades competitivas traz como consequência uma maior incidência de complicações. Os problemas médicos principais entre os idosos que praticam exercícios são de natureza cardiovascular, musculoesquelética e termorreguladora”.

 

    Comparando o coeficiente de variação das dimensões podemos concluir que os dados referentes à saúde são mais consistentes que os dados referentes às demais dimensões, ou seja, os dados referentes à saúde são mais homogêneos.

 

    A Tabela 2, está relacionada a idade dos idosos que realizam atividade física. Cada dimensão corresponde a dois grupos de idade, o primeiro com intervalo de 10 anos e o segundo com um intervalo de 14 anos. Nesta tabela consta a média, desvio padrão e coeficiente de variação.

 

Tabela 2. Análise descritiva das dimensões motivacionais por grupo de idade

Dimensão

Faixa de idade

M

DP

CV

Controle de Estresse

60 – 70

36,64

4,12

11,24%

71- 85

37,44

3,24

8,65%

Saúde

60 – 70

38,00

3,83

10,07%

71- 85

38,17

2,33

6,10%

Sociabilidade

60 – 70

40,20

10,70

26,61%

71- 85

36,28

2,91

8,02%

Competitividade

60 - 70

28,28

8,05

28,46%

71- 85

28,67

9,17

31,98%

Estética

60 - 70

34,88

6,85

19,63%

71- 85

33,83

6,22

18,38%

Prazer

60 - 70

37,76

3,69

9,77%

71- 85

37,28

2,85

7,64%

Fonte: Dados da pesquisa

 

    Observando esta tabela, notamos que os idosos cuja a faixa de idade é entre 60 a 70 anos, estes representam o maior nível de motivação correspondente a dimensão sociabilidade com (40,20%), seguida da dimensão saúde (38,00%) e o prazer (37,76%). Já no outro grupo, o aspecto que foi mais representado pelos idosos de idade entre 71 a 85 anos é o de saúde (38,17%), em segundo lugar temos o controle de estresse (37,44%) e posteriormente o prazer (37,27%).

 

    Podemos analisar a Sociabilidade como sendo de grande relevância no que diz respeito à atividade física e sua adesão, pois muitas atividades precisam ser realizadas em duplas e em até grupos para atingir o objetivo desejado. Esse vínculo social e a interação que ocorre entre si é realizada de forma involuntária.

 

    Quando verificamos o coeficiente de variação relacionados a idade, nos itens vemos que o percentual de 6,10% pertencente a saúde, novamente apresentam uma homogeneidade quanto ao motivo da procura da prática de atividade física entre os idosos.

 

    Abaixo, temos a tabela 3 que descreve as dimensões motivacionais por estado civil, divididas em categorias. Novamente analisaremos de acordo com a média, desvio padrão e o coeficiente de variação, para contribuir de maneira eficaz na confiabilidade do estudo.

 

Tabela 3. Análise descritiva das dimensões motivacionais por estado civil.

Dimensão

Estado civil

M

DP

CV

Controle de Estresse

Solteiro, divorciado, viúvo

37,39

3,12

8,34%

Casado

36,50

4,42

12,10%

Saúde

Solteiro, divorciado, viúvo

38,39

2,23

5,80%

Casado

37,70

4,17

11,06%

Sociabilidade

Solteiro, divorciado, viúvo

36,52

3,03

8,29%

Casado

40,90

11,80

28,85%

Competitividade

Solteiro, divorciado, viúvo

29,17

7,50

25,71%

Casado

27,60

9,52

34,49%

Estética

Solteiro, divorciado, viúvo

34,96

5,81

16,61%

Casado

33,85

7,39

21,83%

Prazer

Solteiro, divorciado, viúvo

37,35

3,11

8,32%

Casado

37,80

3,64

9,62%

Fonte: Dados da pesquisa

 

    As três dimensões com maiores destaques que foram apontados pelo grupo dos solteiros, divorciados ou viúvos como fator motivacional foram: saúde (38,39%), controle de estresse (37,39%) e o prazer (37,35%). Observando o grupo dos casados, a dimensão predominante foi a sociabilidade (40,90%), seguida da dimensão prazer (37,80%) e posteriormente a saúde (37,70%).

 

    Comparando o coeficiente de variação das dimensões podemos afirmar que os elementos referentes à saúde são mais sólidos. Da mesma forma foi evidenciado na pesquisa de Ribeiro et al.(2012), quando verificou que a “prevenção de problemas de saúde” foi um dos principais motivos de adesão a prática de atividade física.

 

    A próxima tabela apresenta a descrição das dimensões motivacionais relativas aos idosos que sofrem ou não, de alguma doença crônica. Nesta, poderemos pressupor que entre os idosos que apontarem algum problema de saúde, o aspecto mais indicado como seu maior fator motivacional poderá ser a busca pela melhora da saúde. Analisaremos abaixo se a suposição é verificada, assim primeiramente identificaremos os dados relacionado a este grupo de idosos.

 

Tabela 4. Análise descritiva das dimensões motivacionais por doença crônica.

Dimensão

Doença crônica

M

DP

CV

Controle de Estresse

Sim

36,71

3,84

10,46%

Não

37,32

3,73

9.99%

Saúde

Sim

38,17

3,14

8,22%

Não

37,95

3,47

9,14%

Sociabilidade

Sim

39,08

11,26

28,81%

Não

37,89

2,58

6,80

Competitividade

Sim

28,08

8,19

29,16%

Não

28,89

8,93

30,91%

Estética

Sim

33,63

7,20

21,40%

Não

35,47

5,61

15,81%

Prazer

Sim

37,21

3,74

10,05%

Não

38,00

2,77

7,28%

Fonte: Dados da pesquisa

 

    Observa-se nos dados acima que o aspecto com maior causa de motivação é a sociabilidade (39,08%) entre os sujeitos que afirmam ter alguma doença crônica, seguida do aspecto saúde (38,17%) e logo depois o aspecto do prazer (37,21%). Porém, para aqueles que não tem doença, a dimensão que marcou o maior nível de motivação foi o prazer (38,00%), seguido da saúde (37,95%) e da sociabilidade (37,89). O que podemos dizer que mesmo este grupo não tendo nenhuma doença crônica, estes se preocupam com a sua saúde e buscam se prevenir.

 

    Ao analisar o coeficiente de variação entre o grupo que tem algum problema de saúde e que apontaram a sociabilidade como principal fator motivacional, temos então um valor de (28,81%), e já na dimensão saúde ainda no mesmo grupo, temos um CV de (8,22%) e por último no prazer temos (10,05%). Já no outro grupo, no aspecto prazer temos um CV de (7,28%), na saúde temos um valor de (9,14%).

 

    A Tabela 5 descreve as dimensões motivacionais por faixa de renda. Os resultados revelam que dimensão com maior nível de motivação em relação a renda é a sociabilidade, relativa aos idosos, que têm uma renda de até 1.000,00. Já em relação a dimensão motivacional daqueles que recebem acima de 1.000,00 são dois aspectos, sendo a saúde e o prazer.

 

Tabela 5. Análise descritiva das dimensões motivacionais por renda.

Dimensão

Faixa de renda

M

DP

CV

Controle de Estresse

Até R$ 1000,00

37,07

3,67

9,90%

Acima de R$ 1000,00

36,80

4,04

10,97%

Saúde

Até R$ 1000,00

38,32

2,26

5,89%

Acima de R$ 1000,00

37,60

4,64

12,34%

Sociabilidade

Até R$ 1000,00

39,25

10,35

26,36%

Acima de R$ 1000,00

37,27

2,94

7,88%

Competitividade

Até R$ 1000,00

29,04

8,17

28,13%

Acima de R$ 1000,00

27,33

9,08

33,22%

Estética

Até R$ 1000,00

34,61

5,38

15,54%

Acima de R$ 1000,00

34,13

8,49

24,87%

Prazer

Até R$ 1000,00

37,54

2,82

7,51%

Acima de R$ 1000,00

37,60

4,24

11,27%

Fonte: Dados da pesquisa

 

    A dimensão sociabilidade foi maior entre os idosos que recebem até R$: 1.000,00 (um mil reais), apresentando um percentual de (39,25%). Quando verificamos o aspecto saúde ainda do mesmo grupo de renda, vemos um valor de (38,32%), seguido do prazer que apontou uma média de (37,54%). Quanto aos idosos que apresentaram uma renda acima de R$: 1.000,00 (um mil reais), estes apresentaram uma média de (37,60%) tanto para o a dimensão saúde, quanto para o prazer, seguidos da sociabilidade com (37,27%).

 

    De acordo com o coeficiente de variação relacionado ao primeiro grupo, vemos que a sociabilidade possui uma porcentagem de (26,36%), em seguida temos a saúde com (5,89%), e o prazer apresenta um CV de (7,51). No grupo posterior, apesar da dimensão saúde e prazer apresentarem a mesma porcentagem na média, o CV na saúde é de (12,34%) e no prazer é (11,27%), e a sociabilidade apresentou um percentual de (7,88%).

 

Discussão

 

    Analisando os resultados, nota-se que o maior fator motivacional para prática de atividade física entre os idosos é a saúde (Jones, Alicea & Ortega, 2019; Hoare, Stavreski, Jennings & Kingwell, 2017; Bittar & Lima, 2011; Cavalli et al., 2014). Na investigação de Bittar e Lima (2011), também foi constatado que mesmo fator é um dos que mais motivam os idosos a se integrarem aos grupos de atividade física. Segundo os autores nas rodas de conversas era possível perceber e ouvir o relato dos idosos no que se refere a promoção de saúde.

 

    Assim como no estudo acima citado, no de Cavalli et al. (2014), a saúde é um dos principais fatores que motivam os idosos a procurarem grupos que realizam atividades físicas. Para Carvalho (2016) e Nascimento (2010), essa busca consiste na melhoria da qualidade de vida.

 

    Observou-se também no estudo de Dantas, Paz, Straatmann e Lima (2015) a prevalência de motivação pelo aspecto da saúde entre homens e mulheres acima de 60 anos, idosos estes praticantes de Pilates na cidade do Rio de Janeiro, assim como no presente estudo os fatores determinantes motivacionais foram a saúde, a sociabilidade e o prazer.

 

    Em consistência aos dados, averiguamos também a pesquisa de Gomes e Zazá (2009), realizada com 40 idosas com a média de 70 anos de idade (DP=7,1), onde faziam parte de dois grupos de convivência em municípios de Minas Gerais. Este estudo revelou que inicialmente participar de atividades físicas foi uma busca por melhoria do estado de saúde, além da prevenção de doenças passa-se a aumentar o contato social.

 

    Em outro grupo de idosos, em um número menor, apenas 22 identificou-se que a principal motivação para os praticantes aderir a atividade física é a melhora na capacidade de trabalho e a percepção positiva da saúde (Nascimento et al., 2010). Isso nos mostra que a motivação dos idosos em praticar atividade física consiste primeiramente em melhorar sua saúde e interagir com outras pessoas.

 

    Em estudo realizado com adultos e idosos a respeito da motivação, notou-se que os adultos se mantém motivados por aspectos multifatoriais, enquanto que os idosos são motivados especificamente pela necessidade de não se sentir só, ou seja, pela sociabilidade, também pela manutenção da saúde e por indicações médicas (Bavoso, Galeote & Montiel. 2017).

 

    Outro estudo (Silva, Castanho, Chiminazzo, Barreira & Fernandes, 2016) também apontou que idosos de ambos os sexos são predominantemente motivados a prática de atividade física essencialmente pelo aspecto saúde, sendo então a principal referência para o planejamento de aula dos profissionais de educação física, novamente seguidos pela sociabilidade, prazer e por último, controle do estresse.

 

    Os resultados nos mostraram também que o segundo fator motivacional mais apontado pelos idosos foi a socialização. Compreende-se que a necessidade de interação, de vivência social é uma condição humana e não especificamente de um idoso, as pessoas sentem a necessidade de interagir com outra pessoa, gerar conhecimento e compartilhar ideias e por meio de programas sociais, que visam a melhor qualidade de vida, esses idosos, encontram além de saúde, também uma sociabilidade, que traz grandes ganhos para sua saúde mental e comportamento pessoal.

 

    Sabemos que a saúde mental da pessoa idosa e o alcance de um envelhecimento ativo enfrenta desafios, especialmente no que se refere aos riscos, como por exemplo, o sofrimento psíquico causado pela terrível depressão, que assola uma grande parcela da população, que segundo Muñoz, Cuijpers, Smit, Barreira e Leykin (2010) se trata de um grave problema de saúde pública.

 

    Considerando a realidade de um programa de atividade física, sabe-se que naquele meio há relações sociais estabelecidas entre profissionais e participantes. Para Cavalli et al. (2014), essas interações que acontecem entre o público da terceira idade, torna-se relevantes, uma vez que permite a melhoria de seu autoconceito e percepção de bem-estar, pois sentem-se inseridos e participantes socialmente.

 

    Outro estudo realizado por Bittar e Lima (2011 p.106), avaliaram dois grupos de idosos, participantes e não participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade, os dados revelaram que o sentimento dos idosos em pertencer a um determinado grupo é relevante: “dada a tendência de afrouxamento dos vínculos sociais e solidão, resultantes da aposentadoria, da independência dos filhos, viuvez e outras perdas que são significativas para a vida dos idosos”, afirmam os autores.

 

    Em estudo realizado com idosas indica que a questão de gênero também tem influenciado fortemente a motivação para prática de atividade física, em que as tarefas domésticas têm levado a percepção saúde precária e de pouco tempo livre (López-Benavente et al., 2018). Deste modo, as mulheres tendem a apresentar mais fatores de desmotivação para a prática de exercício.

 

    Uma estratégia possibilitar a permanência e estimular a motivação para a prática de atividade física em idosos pode a apresentação de mensagens positivas durante o exercício. Um estudo (Notthoff, Klomp, Doerwald & Scheibe, 2016) indica mais atratividade e motivação de idosos submetidos a prática de atividade física quando emparelhados com mensagens positivas.

 

    Também se tem investigado o efeito métodos de treinamento na motivação de idosos (Pedersen et al., 2017). Nesse estudo identificou-se o aumento da motivação por fatores intrínsecos de idosos submetidos a treinamentos em equipe e a treinamentos de resistência. Essa motivação pode ocorrer possivelmente por conta da interação com outras pessoas e os benefícios a saúde advindos dos treinamentos de resistência.

 

Conclusão

 

    O desenvolvimento do presente estudo possibilitou a identificação dos motivos para a prática de atividade física de idosos do município de Canindé (CE). Esta pesquisa comparou o nível de motivação dos participantes de terceira idade através da faixa etária, renda, estado civil e entre os que apresentavam ou não doenças crônicas. Além disso, também permitiu uma pesquisa descritiva e exploratória para obter dados mais consistentes sobre a temática abordada durante todo o processo de inquirição.

 

    O questionário de caracterização dos sujeitos conseguiu mostrar informações importantes para o tratamento dos dados coletados no inventário, além de apresentar um número tímido de idosos do sexo masculino que procuram realizar atividade física regular, que neste caso foi apenas um idoso. Para mais, também foi evidenciado de forma generalizada, que os idosos participantes da pesquisa buscam na prática regular de atividade física cuidar da sua saúde, como também ter uma maior socialização com outras pessoas e o que menos lhe motiva é a competitividade, esta última se deve ao fato de que nesta fase da vida, que é a velhice praticar atividades competitivas podem trazer incidências de complicações. Identificou-se que a saúde é a dimensão mais consistente, ou seja, foi a dimensão mais aderida pelos sujeitos.

 

    As dimensões que mais marcaram como motivo que levam os idosos a praticarem atividades físicas foram: saúde, socialização e prazer. Esses três fatores, influenciam diretamente na qualidade de vidas dessas pessoas.

 

    Dada à importância do assunto, torna-se imprescindível o desenvolvimento de estratégias que possam trabalhar, também as questões alimentares e as formas de praticar as atividades, tendo em vista que muitos idosos precisam ser bem orientados para não realizar atividades de forma irregular e assim prejudicar sua estrutura óssea. Podendo evitar problemas futuros e ao mesmo tempo trabalhar outras questões estruturais e sociais.

 

    Assim, a prática de atividade física contribui para uma vida social ativa, pois a socialização é de fundamental importância para todos os seres humanos, que vivem em grupo, sempre buscando resolução dos problemas, partilhando de uma forma de vida comum e procurando métodos para se adaptarem ao mundo em que vivem.

 

Referencias

 

Balbinotti, M. A. A., & Barbosa, M. L. L. (2006). Inventário de Motivação à Prática Regular de Atividades Físicas (IMPRAF–126). 2006. Laboratório de Psicologia do Esporte–Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre. Recuperado a 2 de outubro de 2018 em http://www.cefid.udesc.br/arquivos/id_submenu/1173/inventario_de_motivacao_a_pratica_regular_de_atividade_fisica.pdf

 

Barbosa, M. L. L. (2006). Propriedades métricas do inventário de motivação à prática regular de atividade física (IMPRAF-126).Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano. Recuperado a 10 de outubro de 2018 em https://lume.ufrgs.br/handle/10183/12726

 

Bavoso, D., Galeote, L., & Montiel, J. M. (2017). Motivação e autoestima relacionada à prática de Atividade física em adultos e idosos. Revista Brasileira de Psicologia Do Esporte, 7(2), 26–37.

 

Bittar, C., & Lima, L. C. V. (2011). O impacto das atividades em grupo como estratégia de promoção da saúde na senescência. Revista Kairós: Gerontologia14(3), 101-118. Recuperado a 12 de julho de 2018 em https://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/10053/7482

 

Carvalho, J. B. (2016). Motivação na prática de atividade física para idosos participantes do Programa Vida Saudável em Parintins/AM. Coleção Pesquisa em educação Física15(2), 135-142.Recuperado a 30 de agosto de 2018 em http://www.fontouraeditora.com.br/periodico/upload/1252_1505311209.pdf

 

Cavalli, A. S., Pogorzelski, L. V., Domingues, M. R., Afonso, M. R., Ribeiro, J. A. B., & Cavalli, M. O. (2014). Motivação de pessoas idosas para a prática de atividade física: estudo comparativo entre dois programas universitários - Brasil e Portugal. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia17(2), 255-264. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232014000200004

 

Dantas, R., Paz, G. A., Straatmann, V. S., & Lima, V. P. (2015). Motivational factors of elderly practitioners of pilates method Factores de motivación en mayores practicantes del método Pilates. Revista Brasileira de Promoção de Saúde, 28(2), 251–256.

 

Gomes, K. V., & Zazá, D. C. (2009). Motivos de adesão a prática de atividade física em idosas. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde14(2), 132-138.doi: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.14n2p132-138

 

Harvey, J. A., Chastin, S. F. M., & Skelton, D. A. (2013). Prevalence of sedentary behavior in older adults: a systematic review. Int J Environ Res Public Health, 10(12), 6645–6661. doi:https://dx.doi.org/10.3390%2Fijerph10126645

 

Hoare, E., Stavreski, B., Jennings, G.L., & Kingwell, B.A. (2017). Exploring Motivation and Barriers to Physical Activity among Active and Inactive Australian Adults. Sports,5(3), 47.

 

Lazzoli, J. K., Oliveira, M. A. B., Leitão, M. B., Nóbrega, A. C. L., Nahas, R. M., & Rezende, L. (2001). Esporte competitivo em indivíduos acima de 35 anos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte7(3). Recuperado a 27 de setembro de 2018 em http://www.scielo.br/pdf/rbme/v7n3/v7n3a04.pdf

 

López-Benavente, Y., Arnau-Sánchez, J., Ros-Sánchez, T., Lidón-Cerezuela, M. B., & Serrano-Noguera, A., Medina-Abellán, M. D. (2018). Difficulties and motivations for physical exercise in women older than 65 years. A qualitative study. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 26, 1-10. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.2392.2989

 

Muñoz, R. F., Cuijpers, P., Smit, F., Barrera, A. Z., & Leykin, Y. (2010). Prevention of major depression. Annual review of clinical psychology6, 181-212. doi:https://doi.org/10.1146/annurev-clinpsy-033109-132040

 

Nascimento, M. C., Silva, O. M. P., Saggioratto, C. M. L., Vargas, K. C. B., Schopf, K., & Klunk, J. (2010). O desafio da adesão aos exercícios físicos em grupos de idosos em Palmitos/SC: Motivos para a prática e para a desistência. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde15(3), 140-144. doi: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.15n3p140-144

 

Notthoff, N., Klomp, P., Doerwald, F., & Scheibe, S. (2016). Positive messages enhance older adults’ motivation and recognition memory for physical activity programmes. Eur J Ageing,13(3): 251-257. doi:https://doi.org/10.1007/s10433-016-0368-1

 

Papalia, C. P., & Olds, S. (2009). Feldman. Desenvolvimento Humano. Porto Alegre: ArtMed.

 

Pedersen, M. T. et al. (2017). Effect of team sports and resistance training on physical function, quality of life, and motivation in older adults. Scand J Med Sci Sports, 27, 852–864. doi: https://doi.org/10.1111/sms.12823

 

Ribeiro, J. A. B., Cavalli, A. S., Cavalli, M. O., Pogorzelski, L. V., Prestes, M. R., & Ricardo, L. I. C. (2012). Adesão de idosos a programas de atividade física: motivação e significância. Revista Brasileira de Ciências do Esporte34(4). doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32892012000400012

 

Ribeiro, A. Q. et al. (2016). Prevalência e fatores associados à inatividade física em idosos: um estudo de base populacional. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 19(3), 483-493. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1809-98232016019.150047

 

Ruwer, S. L., Rossi, A. G., & Simon, L. F. (2005). Equilíbrio no idoso. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology71(3). Recuperado a 22 de agosto de 2018 em http://www.redalyc.org/pdf/3924/392437742006.pdf

 

Jones, S. A., Alicea, S. K., & Ortega, J. D. (2019). A Self-Determination Theory Approach for Exercise Motivation in Rural Dwelling Older Adults. Activities, Adaptation & Aging, 1-18. doi: https://doi.org/10.1080/01924788.2019.1581022

 

Silva, N. C., Castanho, K. F., Chiminazzo, J. G. C., Barreira, J., & Fernandes, P. T. (2016). Fatores motivacionais relacionados à prática de atividades físicas em idosos. Psicologia Em Estudo, 21(4), 677–685. doi: https://doi.org/10.4025/psicolestud.v21i4.32198


Lecturas: Educación Física y Deportes, Vol. 24, Núm. 256, Sep. (2019)

Utilizamos cookies para ofrecer la mejor experiencia, navegando en esta web aceptas su uso. OK