efdeportes.com

Efeitos da atividade física na resistência de força em idosas 

participantes e não-participantes dos projetos de condicionamento 

físico no município de Junqueiropolis, SP

Los efectos de la actividad física en la resistencia de fuerza en mujeres mayores para 

participar o no de los proyectos de acondicionamiento física en el municipio de Junqueirópolis, SP

Effects of physical activity in the resistance of force in older members and 

non-project participants of the municipality of fitness Junqueiropolis, SP

 

*Graduando em Educação Física. Unifadra, Dracena

**Mestrado em Biomecânica Aplicada ao Movimento

pelas Faculdades Metropolitanas, FMU, São Paulo

(Brasil)

Juliana Rocato Xavier*

juliana_rocato@hotmail.com

Pedro Borges da Silva Junior**

joicessouz@hotmail.com

 

 

 

 

Resumo

          Analisar e comparar os efeitos da atividade física na resistência de força em 20 idosas participantes e não-participantes dos projetos de condicionamento físico no município de Junqueiropolis, SP. Para avaliar a resistência de força foi utilizado o protocolo de RIKLI e JONES (1999) sugerido por MATSUDO (1997). Análise dos dados foi utilizada a ANOVA two way com nível de significância de 5%. Conclui-se por meio dos resultados que o protocolo empregado apresentou melhoras significativas na resistência de força dos membros superiores e inferiores das idosas participantes do projeto.

          Unitermos: Idosas. Atividade física. Resistência de força.

 

Abstract

          Analyze and compare the effects of physical activity on strength endurance in 20 elderly participants and non-participants of the projects in the municipality of fitness Junqueiropolis / SP. To evaluate the strength endurance protocol was used RIKLI and JONES (1999) suggested by MATSUDO (1997). Analysis of the data was used two-way ANOVA with a significance level of 5%. We conclude by the results that the protocol employed showed significant improvements in strength endurance of the upper and lower limbs of elderly participants of the project.

          Keywords: Elderly. Physical activity. Strength endurance.

 

 
EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 18, Nº 188, Enero de 2014. http://www.efdeportes.com/

1 / 1

1.     Introdução

    Segundo a Organização Mundial da Saúde (1999), uma pessoa é considerada idosa com mais de 65 anos de idade. No Brasil a expectativa de vida é de 88 anos para os homens e 95 anos para as mulheres.

    De acordo com CARVALHO et al. (2004), o organismo do idoso tem suas funções melhoradas pela atividade física, pois é esta que altera o desempenho físico, que resulta da idade avançada do mesmo, sendo que os exercícios não garantem o prolongamento do tempo de vida, mas sim a qualidade de vida e o aumento do tempo de juventude. Os exercícios físicos oferecem para o idoso, um respaldo maior quanto à saúde de vida auxiliando no retardo do declínio normal do corpo físico associado ao envelhecimento, prevenindo assim doenças que procedem do sedentarismo.

    Conforme com as conclusões da Segunda Assembléia Mundial sobre o Envelhecimento, para 2050 estima-se que o grupo de idosos triplicará. As autoridades públicas são, portanto, responsável por garantir a saúde dos idosos, a fim de que possam exercer a sua vida com autonomia plena.

    Segundo a American College of Sports Medicine – ACMS (2000), quando se realiza exercícios físicos de forma regular, muitos benefícios são conquistados, e alguns deles são a minimização do risco de doenças cardiovasculares, diabetes e osteoporose.

    Para Powes (2000), a prática da atividade física traz para os indivíduos que a praticam vários benefícios, sendo que entre eles pode-se apontar: diminuição da depressão, contribuição para a manutenção e/ ou o aumento da densidade óssea, auxilio no controle de diabetes, hipertensão, artrite, doenças cardíacas e dos problemas como colesterol alto, melhora da auto-eficácia, melhora da velocidade ao andar e do equilíbrio e manutenção do peso corporal e melhora da mobilidade do idoso.

    Para NAHAS (2003), quando estruturados, planejados e rotineiros os exercícios físicos, passam a ser uma forma de atividade física, pois estes tem como objetivo uma melhor aptidão física, reabilitando assim o sistema orgânico e funcional e também a melhora da motricidade.

1.     Objetivo

    Analisar e comparar os efeitos da atividade física na resistência de força em idosas participantes e não-participantes dos projetos de condicionamento físico no município de Junqueiropolis/SP.

2.     Materiais e métodos

2.1.     Amostra

    A amostra foi composta por idosas pertencentes ao município de Junqueirópolis/SP, 20 idosas, com idade média de 70,1±7,2 anos, sendo classificadas em dois grupos, grupo experimental (GE) e grupo controle (GC).

    O grupo experimental (GE) composto por 10 idosas, participantes do projeto atividade física é saúde, peso médio de 62,2±14,2 kg, e 1,59±0,08 m.

    E o grupo controle (GC) composto por 10 idosas sedentárias com peso médio de 75,6+7,4 kg, 1,62 m.

2.2.     Procedimentos metodológicos

    O projeto atividade física é saúde foi desenvolvido em um ambiente fechado, 5 vezes por semana,durante 12 semanas, totalizando 80 dias, com duração de 60 minutos, no horário da manhã das 08:00h ás 09:00h.

    O protocolo de treinamento consistiu pelo desenvolvimento de varias atividades físicas alternadas nos dias da semana, composto por caminhada, corrida, dança, dinâmicas, exercícios com cadeiras, ginástica aeróbia, anaeróbia, relaxamento, resistência muscular, futebol e voleibol adaptado. Com média de realização de 7 dias por atividade física.

    Para avaliar a resistência de força foi utilizado o protocolo de RIKLI e JONES (1999) sugerido por MATSUDO (1997). Teste de rosca direta para membro superior (MS), com halter de 1 kg, com máximo de flexões em 60 segundos e o teste de levantar e sentar na cadeira em 60 segundos para membros inferiores (MI), anotando-se o máximo de repetições.

3.3.     Estatística

    A análise estática e análise dos dados foi utilizado a ANOVA two way e o teste T-independente com nível de significância de 5%.

3.     Resultados

    O gráfico 1 mostra os valores médios pré e pós das repetições do teste de rosca direta de ambos os grupos, grupo experimental e grupo controle.

    No momento Pré o GE apresentou média de 32,6+4,6 e o GC 20+2,8.

    O teste T-independente demonstrou uma diferença significativa (p< 0,05) entre os grupos no momento pré-treinamento.

    No momento Pós o GE evoluiu significativamente para 44,7+4 e o GC se manteve em 20,7+3.

    Onde foi verificada diferença estatisticamente significativa de P= 0,00, nos momentos pré e pós do grupo experimental, bem como no pós entre grupo experimental e grupo controle.

    A comparação entre as médias das repetições do teste de sentar e levantar é mostrada no gráfico 2, no momento pré ocorreu a igualdade dos valores entre os grupos, média de 21+2,3.

    No momento pós houve diferença estatisticamente significativa de P= 0,00, entre o pós do grupo experimental (27,8+2,5) e grupo controle (21+2), bem como, pré e pós do grupo experimental.

4.     Discussão

    Segundo BARBANTI (1979) a força muscular é definida como a capacidade de exercer tensão muscular contra uma resistência, englobando fatores mecânicos e fisiológicos, determinando a força em algum movimento particular.

    Constatando que os resultados da força do presente estudo foram menores do que aqueles apresentados em outros trabalhos.

    FIATARONE et al. (1990, p. 3029-34) descreveram aumentos na ordem de 174% após oito semanas de treino de força. Estas diferenças são, muito provavelmente, justificadas nos baixos níveis de força iniciais dos idosos deste estudo.

    FRONTERA et al. (1988, p. 1038-44) encontraram aumentos muito mais expressivos (107%) nos valores de 1RM dos extensores do joelho após 12 semanas de treino bilateral de força em idosos.

    Porém, estes benefícios do treino sobre o sistema muscular esquelético são dependentes do caráter contínuo e regular do exercício (ACSM, 1998, p. 975-91). Por exemplo, CONNELLY e VANDERVOORT (1997, p. 340-6) observaram, após um ano de cessação de atividade num grupo de idosas com média de idade de 83 anos submetidas a treino de força durante oito semanas, uma diminuição da força dos músculos extensores do joelho de cerca de 25% comparativamente aos valores de pós-treino e de 10% em relação aos valores de pré-treino. Paralelamente às alterações na força.

    Para GUEDES (1998) a força é a capacidade de exercer tensão muscular contra uma resistência, superando, sustentando ou cedendo à mesma.

    Portanto a melhora da força pode ser uma justifi­cativa para o aprimoramento do desempenho do GE. Sugerindo mudanças no protocolo de treinamento do presente estudo, enfatizando o treinamento na resistência muscular.

5.     Conclusão

    Baseado nas informações contidas no decorrer deste trabalho por meio dos resultados, conclui-se que o protocolo empregado permite a indução e identificação da melhora no nível de força dos membros superiores e inferiores das idosas em estudo.

    Os fatores neuromusculares desempenham papel importante no desenvolvimento da força, pois, os idosos apresentam redução no número de unidades motoras (47% aproximadamente). Desta forma, iniciada por volta dos 50 anos, o menor tamanho muscular total, a inatividade física, a perda das proteínas contráteis e de moto neurônios, são fatores relacionados ao declínio da força muscular. (RANTANEN, 1998, p. 2047-53; DOHETHY, 1993, p. 868-74).

    Desta forma, considerando as características fisiológicas e os dados encontrados, é possível afirmar que o programa regular de exercitação física contribuiu para a manutenção da força.

    Quando comparado a outros estudos, fica evidente a necessidade de alterações no protocolo de treinamento, contudo a contribuição verificada pode ser considerada importante, pois em se tratando de idoso, um programa bem desenvolvido de atividade física é muito útil, não simplesmente pelo fato deste evitar quedas, ou melhorar a capacidade cardiorrespiratória, mas é muito útil devido ao combate da osteoporose, estes programas são tão eficientes que há muitas evidencias de que os idosos que praticam atividade física têm menos riscos de fraturas no quadril, um caso muito comum de cirurgia entre idosos.

    Portanto por meio deste estudo fica claro que um estilo saudável de vida é conseguido pela atividade física, sendo que esta vem a proporcionar uma vida saudável sem doenças e uma velhice ativa cheia de perspectivas.

Referências bibliográficas

Outros artigos em Portugués

  www.efdeportes.com/
Búsqueda personalizada

EFDeportes.com, Revista Digital · Año 18 · N° 188 | Buenos Aires, Enero de 2014
© 1997-2014 Derechos reservados